Publicidade

Estado de Minas

'Aids equina' mata 40 cavalos no interior de São Paulo


postado em 30/06/2015 20:19

Sorocaba, 30 - Pelo menos 40 cavalos tiveram de ser sacrificados na região de Marília, interior de São Paulo, por terem contraído anemia infecciosa equina. Doze fazendas e haras estavam interditados nesta terça-feira, 30, em pelo menos três municípios da região. A doença, conhecida como a "Aids equina" por ser causada por um vírus 'parente' do HIV, não tem cura e é facilmente transmissível. Normas do sistema de defesa agropecuária determinam o isolamento e abate do animal em caso de diagnóstico positivo.

Até a noite desta terça-feira, as exposições e leilões não tinham sido suspensas, mas a defesa sanitária exige exames para o trânsito de equinos e muares. São Paulo tem o terceiro maior rebanho de equinos do País, com cerca de 1,2 milhão de cabeças.

A doença é transmitida por agulhas infectadas, picadas de insetos, esporas ou através do sangue contaminado, mas não oferece risco para outros animais, além dos equídeos, incluindo jumentos e mulas. Também não é transmitida para o homem. Os cavalos infectados apresentam febre alta, pontos de sangue sob a língua, anemia, perda de apetite e hemorragia nasal.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo informou que os técnicos da Coordenadoria de Defesa Agropecuária realizam trabalho de campo para levantar a extensão do problema. A Secretaria deve emitir recomendações sobre a doença nesta quarta-feira, 1º.

A doença já ocorre em outros Estados: o Jockey Clube do Espírito Santo, em Vila Velha (ES), está interditado desde o dia 14 de maio, após um dos cavalos do local ter sido diagnosticado com anemia infecciosa equina. Provas de hipismo foram suspensas. A interdição vigora até meados de julho, se não ocorrerem novos casos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade