Publicidade

Estado de Minas

Coronel que confessou tortura é encontrado morto

Homens invadiram sítio atrás de armas que Paulo Malhães colecionava


postado em 25/04/2014 14:49 / atualizado em 25/04/2014 16:09

Paulo Malhães recentemente confirmou em comissão ter torturado e assassinado presos políticos(foto: Comissão Nacional da Verdade/Divulgação)
Paulo Malhães recentemente confirmou em comissão ter torturado e assassinado presos políticos (foto: Comissão Nacional da Verdade/Divulgação)

O coronel reformado do Exército Paulo Malhães foi encontrado morto nesta manhã, 25, no sítio em que morava em Nova Iguaçu (cidade na Baixada Fluminense). O corpo apresentava marcas de asfixia, segundo a Polícia Civil.

Malhães prestou depoimento em março à Comissão Nacional da Verdade em que relatava ter participado de prisões e torturas durante a ditadura militar. Disse também que foi o encarregado pelo Exército de desenterrar e sumir com o corpo do deputado Rubens Paiva, desaparecido em 1971.

De acordo com o relato da viúva Cristina Batista Malhães, três homens invadiram o sítio de Malhães na noite desta quinta-feira, 24, à procura de armas. O coronel seria colecionador de armamentos, disse a mulher aos policiais da Divisão de Homicídios da Baixada que estiveram na propriedade.

Cristina disse que ela e o caseiro foram amarrados e trancados em um cômodo, das 13h às 22h desta quinta-feira, 24, pelos invasores.

Comissão da Verdade

Em depoimento à Comissão da Verdade, no dia 25 de março, Malhães afirmou que torturou, matou e mutilou corpos, arrancando dentes e as pontas dos dedos das vítimas. O procedimento era necessário para para impossibilitar a identificação dos mortos. Perguntado se tinha arrependimento, o coronel afirmou que "não tinha outra solução" e que matou "tantos quanto foram necessários".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade