UAI
Publicidade

Estado de Minas NOVA YORK

Petróleo fecha estável após alta das reservas americanas e apelo da AIE a produtores


24/11/2021 21:23

Os preços do petróleo se mantiveram estáveis nesta quarta-feira (24) em um mercado de pouco volume antes do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, apesar do aumento das reservas comerciais e da pressão da Agência Internacional de Energia (AIE) sobre a Opep.

O preço do barril de Brent do Mar do Norte para entrega em janeiro recuou 0,07% a 82,25 dólares.

Em Nova York, o barril de WTI para entrega no mesmo prazo perdeu 0,14% a 78,39 dólares.

Os preços do petróleo reagiram pouco ao relatório de reservas dos Estados Unidos, que voltaram a subir na semana passada, surpreendendo os analistas, segundo dados publicados nesta quarta pela americana Agência de Informação sobre Energia (EIA).

Na semana encerrada em 19 de novembro, os inventários de petróleo cru aumentaram em um milhão de barris (mb), situando-se em 434 mb, quando os analistas esperavam uma queda de 1,8 mb.

Enquanto isso, as reservas de gasolina diminuíram em 600.000 barris, perto da previsão dos analistas de uma redução de 400.000 barris.

"O mercado teve pouco volume hoje, já que muitos operadores saíram de férias", informou Phil Flynn, da Price Futures Group.

Segundo este especialista, o resultado do relatório de reservas se explica por uma incorporação de barris de reservas estratégicas às reservas comerciais.

O relatório mostra, ainda, uma demanda sustentada de gasolina.

O petróleo cru tampouco foi afetado depois que o titular da AIE, Fatih Birol, disse nesta quarta que "espera" que os países da Opep e seus aliados da Opep+ tomem "as medidas necessárias" para devolver os preços do petróleo a "níveis razoáveis".

"Espero realmente que, em suas próximas reuniões (...), tomem as medidas necessárias para tranquilizar o mercado petroleiro e ajudar a que os preços voltem a níveis razoáveis", afirmou em coletiva de imprensa, destacando que o nível atual dos preços do petróleo cru faz "os consumidores carregarem um fardo", sobretudo nos países emergentes.

Os membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep), liderados pela Arábia Saudita, e seus dez aliados, com a Rússia à frente, limitam sua produção para manter os preços.

Estes países começaram a abrir a torneira progressivamente nos últimos meses, apesar da recuperação dos preços e da insistência dos Estados consumidores para que produzam mais.

O presidente americano, Joe Biden, anunciou na terça-feira uma iniciativa "maior" para baixar os preços do ouro negro: recorrer a 50 milhões de barris de petróleo das reservas estratégicas dos Estados Unidos, o volume mais importante já liberado.

Os Estados Unidos informaram que esta decisão era tomada juntamente com outros países consumidores de energia importantes como China, Índia, Japão, Coreia do Sul e Reino Unido.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade