Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Nos países mais pobres, os surtos agravam a escassez de vacinas contra a covid-19


17/06/2021 16:23

Hati Maronjei jurou uma vez que nunca levaria uma vacina contra a covid-19, depois de um pastor ter dito que os imunizantes não eram seguros.

Agora, quatro meses após o primeiro lote de vacinas ter chegado ao Zimbábue, o vendedor ambulante de artigos eletrônicos, de 44 anos, está desesperado pela vacina que não consegue obter. Sempre que ele visita uma clínica na capital, Harare, pedem para que tente novamente no dia seguinte.

"Estou frustrado e com medo", disse ele. "Estou sempre em lugares movimentados, falando, e vendendo para pessoas diferentes. Não consigo ficar isolado em casa".

A sensação de pavor é crescente em alguns dos países mais pobres do mundo, à medida que os casos de covid-19 aumentam e as variantes mais contagiosas se instalam em meio a escassez paralisante de vacinas.

A crise alarmou os funcionários da saúde pública juntamente com os milhões de não vacinados, especialmente aqueles que trabalham na informalidade. Com as unidades de tratamentos intensivos lotadas de pacientes com covid, pegar uma doença grave pode ser uma sentença de morte.

A África é especialmente vulnerável. O seu 1,3 bilhão de pessoas representa 18% da população mundial, mas o continente recebeu apenas 2% de todas as doses de vacinas administradas a nível mundial. E alguns países africanos ainda não administraram uma única dose.

Especialistas em saúde e líderes mundiais têm alertado repetidamente que mesmo que as nações ricas imunizem toda a sua população, a pandemia não será derrotada se o vírus for autorizado a propagar-se em países famintos de vacinas.

"Dissemos durante toda esta pandemia que não estamos a salvo se todos estivermos seguros", disse John Nkengasong, um virologista camaronês que dirige os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças. "Somos tão fortes quanto o elo mais fraco".

O Zimbábue, que impôs novas medidas de isolamento devido a um aumento acentuado de mortes e novos casos de covid no país de mais de 15 milhões de pessoas, utilizou pouco mais de 1 milhão de doses das 1,7 milhões disponíveis.

Formam-se longas filas em centros como o Hospital Parirenyatwa, ao contrário de meses atrás, quando as autoridades imploravam às pessoas para se vacinarem. Muitos ficaram alarmados quando o inverno se instalou e a variante identificada pela primeira vez na África do Sul se espalhou em Harare, onde os jovens se aglomeram em casas de apostas, alguns com máscaras penduradas no queixo e outros sem máscaras.

"A maioria das pessoas não usa máscaras. Não há distanciamento social. A única resposta é a vacina, mas eu não consigo obter", disse Maronjei.

No início da pandemia, muitos países profundamente empobrecidos e com sistemas de saúde fracos pareciam ter evitado o pior. Isso está mudando.

"A trajetória dos casos em surto deveria despertar a todos para uma ação urgente", disse a Dra. Matshidiso Moeti, diretora na África da Organização Mundial de Saúde (OMS). "As medidas de saúde pública devem ser postas em prática para encontrar, testar, isolar e cuidar dos doentes, e para rapidamente localizar e isolar os seus contatos".

Os novos casos no continente aumentaram quase 30% na última semana, disse ela na quinta-feira.

Na Zâmbia, onde a campanha de vacinação está estagnada, as autoridades informaram que o país está quase sem oxigênio engarrafado. Pessoas doentes cujos sintomas não são graves não estão sendo aceitas por hospitais da capital, Lusaka.

"Quando chegamos ao hospital, disseram que não havia lugar para ela", disse Jane Bwalya sobre a busca por um leito para sua avó de 70 anos. "Disseram-nos para tratarmos a doença em casa". Agora, estamos tentando dar a ela qualquer medicamento que possa reduzir os sintomas".

Uganda também está lutando contra um aumento acentuado no número de casos e de variantes. As autoridades relatam que o surto está infectando mais pessoas na faixa dos 20 e 30 anos.

As unidades de terapia intensiva na capital e arredores, Kampala, estão quase cheias, e Misaki Wayengera, uma médica que dirige um comitê de aconselhamento do governo de Uganda, disse que alguns pacientes estão "rezando para que alguém lhes transmita" para que possam obter um leito de UTI.

Muitos ugandenses sentem-se desesperados quando veem as contas médicas astronômicas de pacientes que deixam a UTI. Alguns optam por misturas de ervas fervidas como proteção. Nas redes sociais, as sugestões incluem capim-limão e pequenas plantas floridas. A prática suscitou receios de envenenamento.

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, impôs novas restrições este mês que incluíam o fechamento de todas as escolas. Mas ele evitou as medidas extremas de isolamento adotadas no ano passado, dizendo que não queria prejudicar a subsistência das pessoas num país com um vasto setor informal.

Para esteticistas, trabalhadores de restaurantes e vendedores em mercados ao ar livre cheios de gente lutando para pôr comida na mesa, a ameaça da covid-19 pode ser alta, mas tirar até mesmo um dia de folga quando se está doente é uma dificuldade. Os exames custam de US$ 22 a US$ 65, o que é um impeditivo para a classe trabalhadora.

"A menos que eu me sinta muito doente, não desperdiçaria todo o meu dinheiro para ir testar para a covid", disse Aisha Mbabazi, que é garçonete num restaurante nos arredores de Kampala.

A jovem de 28 anos teve um susto há semanas, disse ela, observando que uma infecção pela doença poderia custar-lhe o emprego se o seu empregador descobrisse.

"Eu queria mesmo a vacina porque, para nós, em qualquer altura, é possível acabar contaminado", disse ela. "Mesmo apenas tocando no cardápio".

O Dr. Ian Clarke, que fundou um hospital em Uganda, disse que embora a procura por vacinas esteja aumentando entre os anteriormente hesitantes ugandenses, "o lado negativo é que não sabemos quando, ou de onde, vamos receber o próximo lote" de vacinas.

A África registrou mais de 5 milhões de casos confirmados de covid-19, incluindo 135.000 mortes. Esta é uma pequena fração do número de casos do mundo, mas muitos temem que a crise possa piorar muito.

De acordo com a OMS, cerca de 90% dos países africanos deverão falhar no objetivo global de vacinar 10% da sua população até setembro.

Um dos principais problemas é que o Covax, projeto apoiado pela ONU para fornecer vacinas a cantos pobres do mundo, enfrenta ele próprio uma séria escassez.

Em meio a um protesto global sobre o fosso entre os que têm e os que não têm vacinas, os EUA, a Grã-Bretanha e os outros membros do G-7 concordaram, na semana passada, em partilhar pelo menos 1 bilhão de doses com países em dificuldades durante o próximo ano, com entregas previstas para começar em agosto.

Entretanto, muitos dos pobres do mundo esperam e preocupam-se.

No Afeganistão, onde um surto ameaça sobrecarregar um sistema de saúde devastado pela guerra, 700.000 doses doadas pela China chegaram durante o fim de semana, e dentro de horas, "as pessoas estavam lutando entre si para chegar na ponta da fila", disse o porta-voz do ministério da Saúde, Dr. Ghulam Dastigir Nazari.

A corrida por vacinas é notável num país onde muitos questionam a realidade do vírus e raramente usam máscaras ou distância social, muitas vezes zombando daqueles que o fazem.

No final de maio, aproximadamente 600.000 afegãos tinham recebido pelo menos uma dose, ou seja, menos de 2% da população de 36 milhões. Mas o número dos totalmente vacinados é ínfimo - "tão poucos que eu nem consigo dizer qualquer porcentagem", de diz Nazari.

No Haiti, os hospitais estão recusando pacientes, enquanto o país aguarda para receber o primeiro carregamento de vacinas. Uma grande entrega via Covax foi adiada em meio à preocupação do governo com efeitos colaterais e à falta de infraestrutura para manter as doses devidamente refrigeradas.

"Estou em risco todos os dias", disse Nacheline Nazon, uma vendedora de 22 anos, que entra num carro colorido e cheio de gente, conhecido como tap-tap, para trabalhar numa loja de roupa na capital do Haiti, Porto Príncipe, porque isso é tudo o que ela pode pagar.

Ela disse usar máscara e lavar as mãos. Se a vacina ficar disponível, ela disse: "Serei provavelmente a primeira na fila".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade