Publicidade

Estado de Minas SANTIAGO

Chile enfrenta o paradoxo de uma vacinação rápida e uma covid implacável


25/03/2021 18:46

O Chile já ultrapassou os seis milhões de vacinados contra a covid-19, e uma grande parte daqueles com mais de 70 anos já estão imunizados, mas nada impediu um aumento nas infecções de colocar hospitais no limite e o país confinado novamente.

Na mesma quinta-feira que o país atingu a marca dos seis milhões de imunizados com a primeira dose - e 3,1 milhões com duas -, mais de 80% dos 19 milhões de habitantes iniciaram um novo confinamento total, sem a possibilidade de sequer sair para comprar suprimentos básicos no fim de semana.

O Chile lidera o processo de vacinação na América Latina e o governo do conservador Sebastián Piñera pediu à população "um último esforço" para superar a pandemia. Os primeiros efeitos da imunização de quase 30% de sua população são esperados para abril.

O ministro da Saúde, Enrique Paris, reconhece que a medida de confinamento "é dura, mas necessária" para controlar o vírus na Região Metropolitana, a mais populosa do Chile.

- Trilhos separados -

Novas variantes do vírus, o relaxamento da população contra a vacinação e o fim das férias de verão explicam o aumento das infecções. Na quinta-feira, foram registradas mais de 7.000 novas infecções em 24 horas, o segundo maior número desde o início da pandemia.

"São fenômenos que percorrem caminhos totalmente diferentes", disse à AFP Darwin Acuña, presidente da Sociedade Chilena de Medicina Intensiva, sobre o avanço da vacinação e o aumento das infecções que chegam a 954.762 e 22.524 mortes.

As vacinas começaram a ser administradas em 24 de dezembro, primeiro para profissionais da área de saúde, e a partir de 3 de fevereiro para a população em geral, a partir de maiores de 90 anos.

"O efeito da vacina para a população de maior risco ainda não foi visto, pois para a população de risco sua segunda dose acabou de ser administrada (há cerca de 10 dias)", diz Acuña.

Em meados de abril, espera-se "ver um efeito real nas necessidades críticas de leitos na população em maior risco" e nos números de mortalidade, acrescentou.

Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) eles percebem algumas diferenças em relação à primeira onda: pacientes mais jovens sendo internados com maior gravidade.

"Parece mais agressivo do que no ano passado; há pacientes que chegam quase diretamente à UTI e são intubados", disse Héctor Ugarte, médico-chefe da Unidade de Pacientes Adultos Críticos do hospital San Pablo de Coquimbo, uma cidade costeira ao norte de Santiago.

As idades de internação por covid "caíram enormemente. Neste momento, temos muito mais jovens entre os infectados, porque não tiveram cuidado", disse o ministro da saúde.

As autoridades disseram quinta-feira que, além da variante britânica confirmada em fevereiro, encontraram "45 casos com a variante brasileira" e aumentaram as restrições para viagens ao Brasil e ao resto do mundo.

Médicos e enfermeiras reconhecem que estão passando por um momento de grande pressão nos hospitais, com leitos no limite (95% de ocupação) mesmo em regiões como Coquimbo, onde antes de março de 2020 tinham apenas oito e esta semana têm 46 pacientes hospitalizados.

- Vacina de esperança -

A meta do governo é vacinar 15 milhões de pessoas (de um total de 19 milhões de habitantes) antes de 30 de junho e, assim, obter a tão esperada "imunidade de rebanho".

Até esta quinta-feira, 6.099.408 pessoas receberam a primeira dose das vacinas do laboratório chinês Sinovac ou da americana Pfizer utilizadas na época.

Professores, bombeiros, jornalistas, pacientes crônicos, funcionários públicos, funcionários de farmácias e empresas de telecomunicações já receberam a primeira dose. Todo o pessoal médico cumpriu o esquema de vacinação, assim como boa parte dos idosos.

Apesar do aumento das infecções, a população segue com esperança no plano de vacinação.

Em uma casa de repouso no sul do Chile, onde residentes e funcionários receberam uma dose da vacina Sinovac na primeira semana de fevereiro, um grande surto de coronavírus surgiu depois que mais de 70 infectados foram relatados.

Apenas uma idosa morreu e não havia sido vacinada.

Nos hospitais também há otimismo: "No pior estágio da pandemia em 2020, no hospital de Coquimbo havia entre 150 e 170" infectados com covid entre os 1.700 funcionários, lembrou Ugarte.

"Neste momento, 80% do pessoal está com a vacina dupla há várias semanas", disse o médico, visivelmente emocionado com o que considera "a primeira grande demonstração" do impacto da vacina.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade