Publicidade

Estado de Minas MADRI

Sem rei Juan Carlos I, Espanha lembra 40 anos do frustrado golpe de 1981


23/02/2021 12:32

A Espanha relembra, nesta terça-feira (23), o 40º aniversário do frustrado golpe de Estado de 23 de fevereiro de 1981, um evento que cimentou sua democracia, com a notória ausência de um de seus protagonistas, rei Juan Carlos I, exilado em Abu Dhabi.

Com um discurso transmitido pela televisão de madrugada, com o uniforme de comandante das Forças Armadas, o então jovem monarca chamou à ordem os militares sublevados e se confirmou como um baluarte da incipiente democracia espanhola.

"Sua firmeza e sua autoridade foram determinantes para a defesa e o triunfo da democracia", reconheceu seu filho e herdeiro, rei Felipe VI, durante um ato no Congresso dos Deputados, tomado pelos amotinados 40 anos atrás.

A cúpula do governo prestigiou a cerimônia. Nela estiveram o chefe de governo, o socialista Pedro Sánchez, as presidentes das Câmaras da Casa, lideranças da oposição e membros do Poder Judiciário.

Faltou, no entanto, um de seus grandes protagonistas: Juan Carlos I, o rei que aabdicou ao trono em 2014 e vive exilado, desde agosto, nos Emirados Árabes, após as crescentes suspeitas sobre a origem pouco transparente de sua fortuna.

O ex-chefe de Estado, que meses atrás pagou quase 680.000 euros (US$ 825.000) ao fisco para evitar uma processo por lavagem de dinheiro, é alvo de até três investigações judiciais e perdeu a simpatia dos espanhóis conquistada durante a transição.

Encontra-se, inclusive afastado de seu filho que, para proteger a Coroa de seus escândalos, renunciou à herança do pai e retirou-o da dotação orçamentária da Casa Real.

- Consagração de Juan Carlos -

Embora quatro décadas tenham-se passado, continua viva na memória coletiva dos espanhóis a imagem do tenente-coronel da Guarda Civil Antonio Tejero, tomando o Congresso de assalto, com pistola em punho.

Neste momento, passados seis anos da morte do ditador Francisco Franco, a Espanha transitava rumo à democracia, curso que um grupo de militares queria deter.

Do palácio de la Zarzuela, o rei Juan Carlos, então com apenas 43 anos, ligou, um por um, para os capitães-generais que dirigem as diferentes regiões do país para que respeitassem a legalidade democrática.

Já de madrugada, o rei fez um pronunciamento na televisão em apoio à democracia, vestido de capitão-general das Forças Armadas.

"A Coroa, símbolo da permanência e unidade da pátria, não pode tolerar de forma alguma ações, ou atitudes, de pessoas que pretendam interromper pela força o processo democrático", declarou.

Tejero e seus homens aceitaram, enfim, entregar-se em 24 de fevereiro ao meio-dia, libertando os deputados e ministros mantidos presos por 18 horas.

Com esse discurso, "o rei Juan Carlos I assumiu sua responsabilidade e seu compromisso com a Constituição" aprovada em 1978, afirmou seu filho, o rei Felipe VI.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade