Publicidade

Estado de Minas BUENOS AIRES

Nova ministra da Saúde assume na Argentina após escândalo das vacinas


20/02/2021 18:45

Carla Vizzotti assumiu neste sábado (20) como ministra da Saúde da Argentina no lugar de Ginés González García, que renunciou na sexta-feira após a revelação de que alguns de seus amigos próximos foram vacinados contra a covid-19 de forma irregular.

Em uma transmissão breve nos canais locais, o presidente argentino Alberto Fernández empossou Vizzotti como a novo chefe da pasta de Saúde por volta das 18h locais (17h no horário de Brasília) na residência presidencial de Olivos. Não houve depois declarações ou respostas à imprensa.

Vizzotti, de 48 anos, uma especialista em medicina clínica que até então era secretária de Acesso à Saúde - função em que se destacou ao obter a vacina russa Sputnik V para a Argentina - assumiu o posto de González, que renunciou a pedido do presidente.

"Respondendo a seu pedido expresso, apresento-lhe minha renúncia ao cargo de ministro da Saúde", escreveu González García em carta enviada ao presidente nesta sexta.

A gestão do ex-ministro de 75 anos, que já tinha estado à frente da pasta durante o governo de Néstor Kirchner (2003-2007), foi manchada pelas vacinações "privilegiadas" na sede do Ministério da Saúde.

A revelação aconteceu no mesmo dia em que a cidade de Buenos Aires disponibilizou a solicitação de agendamentos online para a imunização de pessoas com mais de 80 anos a partir da próxima segunda-feira, sistema que entrou em colapso quase de imediato devido à enorme demanda.

O escândalo estourou depois que o jornalista Horacio Verbitsky disse em um programa de rádio que, graças à sua longa amizade com o ministro, conseguiu se vacinar em seu gabinete, causando uma onda de reações nas redes sociais com a hashtag #vacunasvip (vacinas vip).

Além de Verbitsky, outras pessoas próximas ao governo se vacinaram no Ministério da Saúde, segundo a imprensa local.

O Ministério Público, por meio da Procuradoria de Investigações Administrativas (PIA), abriu um inquérito para apurar essas irregularidades, indicou a mídia argentina.

O país, com 44 milhões de habitantes, acumula mais de dois milhões de infecções pela covid-19 e ultrapassa as 51 mil mortes.

Até o momento, a Argentina recebeu 1,22 milhões de doses da Sputnik V e 580 mil da Covishield, vacina do Serum Institute of India.

O plano de imunização argentino inclui ainda vacinas da e de outros contratos, inclusive por meio do mecanismo de cooperação internacional Covax, totalizando 62 milhões de doses.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade