Publicidade

Estado de Minas

Liberdade de expressão em Cuba: diálogo entre governo e artistas é interrompido


04/12/2020 18:03

Uma semana depois de uma mobilização histórica de artistas, o diálogo se rompe: o Ministério da Cultura de Cuba anunciou nesta sexta-feira (4) sua recusa em discutir a liberdade de expressão com pessoas que acusa de serem financiadas pelo governo dos Estados Unidos.

"Não nos entendemos com mercenários", disse o ministério em um comunicado que apelou à fórmula que as autoridades comunistas costumam usar para desacreditar dissidentes, classificando-os como agentes de Washington.

"O ministro da Cultura não se reunirá com pessoas que tenham contato direto e recebam financiamento, apoio logístico e respaldo propagandista do Governo dos Estados Unidos e seus funcionários", afirma o comunicado.

Mas "permanecem abertas as oportunidades de diálogo" com todos aqueles "que não comprometeram seu trabalho com os inimigos da nação cubana", acrescenta.

O compromisso de continuar conversando esta semana foi um dos principais acordos firmados na noite de 27 de novembro, ao fim de uma rara manifestação de cerca de 300 artistas em frente à sede do Ministério da Cultura (Mincult) que durou 15 horas.

Em Cuba, a autorização para protestar é emitida apenas em circunstâncias excepcionais. Quando vozes críticas anunciam sua intenção de se reunir publicamente, uma grande mobilização policial desencoraja qualquer reunião.

- "Um e-mail insolente" -

No entanto, desta vez, os artistas se conheceram de forma espontânea, graças a chamadas divulgadas nas redes sociais, em uma ilha onde a internet móvel chegou no final de 2018.

E, surpreendentemente, o Ministério da Cultura concordou em receber uma representação de 30 manifestantes, cujas principais reivindicações eram a liberdade de criação e expressão, o direito à dissidência e o fim da repressão e assédio contra artistas independentes.

No dia seguinte, porém, o governo subiu o tom, denunciando um complô dos Estados Unidos.

No comunicado, o Ministério da Cultura afirma ter recebido nesta quinta-feira "um email insolente, onde o grupo que se colocou como a voz de todos busca impor, unilateralmente, quem, com quem e para quê concordarão em dialogar".

O grupo também exige a participação do presidente Miguel Díaz-Canel e de representantes dos ministérios da Justiça e do Interior na discussão.

A lista de participantes inclui o artista Luis Manuel Otero Alcántara, líder do chamado Movimento San Isidro (MSI). Quatorze de seus membros fizeram por 10 dias uma barricada em uma casa em Havana, alguns deles em greve em a fome, que foi dissolvida pela polícia, gerando a manifestação em frente ao Ministério da Cultura.

- "27N" -

Agora reunidos sob o emblema "27N" (27 de novembro), nome usado em contas do Twitter e do Facebook, esses artistas denunciaram na manhã desta sexta-feira, antes mesmo do anúncio oficial do ministério, a mudança radical das autoridades.

"Apesar desses acordos, desde a própria manhã do sábado, 28 de novembro de 2020, temos sido vítimas de uma campanha de difamação, que não só inclui os membros do MSI, mas também questiona as intenções daqueles que apoiamos em solidariedade com o referido Movimento. Nos manifestamos contra a violência política, a favor da vida, da justiça e da liberdade artística e de expressão", escreveram os artistas em comunicado postado no Facebook.

"Vários dos jovens presentes no encontro de 27N, junto com outros que nos acompanharam na consulta da agenda para o diálogo com o Mincult, ESTÃO SOB RIGOROSA VIGILÂNCIA E ASSÉDIO e inclusive alguns fomos detidos", acrescentaram.

O cineasta Juan Pin Vilar, integrante do grupo de negociação, considerou "lamentável a interrupção do diálogo". "Minha consciência me diz que os 500 que estavam em frente ao Mincult não aplaudiram nenhuma agenda política", disse ele.

Alguns dos 30 representantes denunciaram nesta sexta que uma forte presença policial os impedia de deixar suas casas.

Nos últimos dias, a mídia estatal desconstruiu amplamente o que chamam de "a farsa de San Isidro", divulgando diversas reportagens sobre supostas ações desestabilizadoras financiadas pelos Estados Unidos, como o descarrilamento de um trem de carga em maio de 2019.

No sábado, a chancelaria convocou o encarregado de negócios dos EUA Timothy Zúñiga-Brown, a quem acusou de interferência "flagrante e desafiadora".

As tensões diplomáticas entre os dois países têm sido fortes desde a chegada à Casa Branca de Donald Trump, que aumentou as sanções para intensificar o embargo em vigor desde 1962.

"Em meio à crise mundial causada pela pandemia e pelo neoliberalismo global, Cuba sofre ao mesmo tempo um assédio sem precedentes por parte dos Estados Unidos", denunciou o ex-ministro da Cultura Abel Prieto ao jornal oficial Granma.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade