Publicidade

Estado de Minas

Chile, do protesto social ao plebiscito


23/10/2020 19:50

Confira os eventos de destaque desde o início da crise social que eclodiu há um ano no Chile e deixou cerca de 30 mortos, até o plebiscito de domingo, que determinará a mudança ou não da Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

- Confrontos violentos -

Em 18 de outubro de 2019, Santiago experimentou violentos confrontos entre as forças de segurança e manifestantes que protestavam contra o aumento dos preços nas passagens do metrô.

O presidente conservador, Sebastián Piñera, declarou na ocasião estado de emergência na capital, atribuindo a um oficial militar a responsabilidade pela segurança pública.

No dia seguinte, 19 de outubro, milhares de pessoas foram às ruas de Santiago protestar contra a desigualdade, e explodem novos confrontos, apesar da suspensão do aumento nos preços das passagens do metrô.

Pela primeira vez desde o fim da ditadura de Pinochet, milhares de soldados são mobilizados nas ruas e é decretado um toque de recolher noturno em Santiago.

- O Chile acorda -

Confrontos e saques se sucedem em Santiago e o estado de emergência se estende a várias regiões.

O fato de o presidente ter pedido "perdão" e anunciar algumas reformas sociais não impediu uma greve geral, exigindo "o retorno dos militares a seus quartéis" e respostas à pior crise social em 30 anos.

Em 25 de outubro, 1,2 milhão de chilenos protestaram em Santiago. Nos dias seguintes, são suspensos o toque de recolher e o estado de emergência e um terço dos ministros é substituído.

Em novembro, o Chile renuncia ao título de anfitrião da cúpula econômica APEC, do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico, e da COP-25 sobre mudanças climáticas.

Em seguida, o Banco Central injeta em duas ocasiões um bilhão de dólares para conter a queda do peso.

- Plebiscito -

Em 15 de novembro, um acordo histórico entre os partidos políticos prevê um plebiscito para revisar a Constituição herdada da ditadura, uma das principais reivindicações dos manifestantes.

A polícia suspende o uso de balas de chumbo, que deixaram centenas de lesões oculares graves.

O governo pede calma depois do recrudescimento da violência.

- Concessões sociais -

No começo de dezembro, o governo apresenta um plano de 5,5 bilhões de dólares. O presidente anuncia um bônus especial para 1,3 milhão de famílias. O Congresso aprova um aumento da pensão mínima para os idosos.

Em 13 de dezembro, a ONU denunciou as "múltiplas violações dos direitos humanos" por parte da polícia chilena.

Em janeiro de 2020, o presidente anunciou uma reforma do sistema de saúde e depois uma contribuição do empregador às cotas da pensão para aposentadoria, que ainda é debatida no Congresso.

- Novos confrontos -

No fim de janeiro, eventos de violência deixam quatro mortos depois de um período de calma, salpicado de manifestações todas as sextas-feiras em Santiago, às vezes com confrontos.

Em 23 de fevereiro, em Viña del Mar (centro), surgem confrontos e que se espalham, no começo de março, para várias cidades.

O presidente anuncia uma reforma da polícia.

- Plebiscito adiado pelo coronavírus -

Em 18 de março, o Chile declarou estado de desastre pela pandemia de covid-19, provocando um hiato na disputa.

O plebiscito, previsto para 26 de abril, foi adiado para 25 de outubro.

Em julho, os deputados infringiram uma bofetada no governo, ao aprovar uma reforma que permite o saque antecipado de 10% dos fundos de pensão privados para enfrentar a crise causada pela pandemia.

Em 28 de julho, o presidente fez a quinta restruturação em seu gabinete.

- Volta das manifestações -

Em meados de agosto, Santiago começa um longo confinamento, que se estende até o fim de setembro.

As manifestações são retomadas.

Em 2 de outubro, um adolescente de 16 anos caiu de uma ponte, após ser empurrado por um policial, que se referiu ao evento como um "acidente" e atualmente está em detenção.

Em 18 de outubro, dezenas de milhares de chilenos se manifestaram no primeiro aniversário do protesto, um dia marcado por confrontos e pelo incêndio em duas igrejas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade