Publicidade

Estado de Minas

Governo espanhol se compromete a buscar desaparecidos da guerra civil


15/09/2020 13:31

O governo de esquerda espanhol aprovou na terça-feira um projeto de lei para indenizar as vítimas da guerra civil e da ditadura de Francisco Franco que prevê, entre outras medidas, o financiamento público da exumação dos desaparecidos ainda enterrados em valas comuns.

Segundo estimativas de historiadores e associações de vítimas do regime de Franco, ainda estão desaparecidas mais de 100 mil mortes durante o conflito (1936-1939) e a ditadura (1939-1975).

Este projeto de lei da "memória democrática", que deve ser validado pelo Congresso, tornará sua busca uma "responsabilidade do Estado", disse o governo.

Dos 750 mil euros que pretendem destinar para o desenvolvimento desta lei em 2020, 60% irão para ela.

Além disso, planejam traçar um mapa com todas as valas comuns e criar um banco de DNA das vítimas para facilitar sua futura identificação.

"Memória, justiça e reparação devem ser questões de Estado", disse o chefe de governo Pedro Sánchez no Twitter.

"Hoje damos mais um passo no reconhecimento das vítimas da Guerra Civil e da ditadura com a lei da memória democrática. Hoje fechamos um pouco mais as feridas; podemos olhar para o passado com maior dignidade", acrescentou.

Menos de 45 anos após a morte de Franco em 1975, a memória da ditadura continua semeando discórdia na Espanha entre a esquerda, que se propõe a rever esses anos, e a direita, que a acusa de abrir feridas do passado.

Chegando ao poder em junho de 2018, Pedro Sánchez fez da indenização das vítimas do regime de Franco uma de suas prioridades.

Sua decisão mais simbólica foi exumar em outubro passado os restos mortais de Franco do Vale dos Caídos, um mausoléu monumental escavado em uma montanha nos arredores de Madri e coroado por uma enorme cruz de 150 metros de altura.

O projeto de lei aprovado pelo governo pretende dar um novo significado a este mausoléu "para fins educativos" para que deixe de ser um local de "exaltação" do regime de Franco.

Entre as medidas aprovadas, incluem-se também a declaração da "nulidade das resoluções e sentenças proferidas pelos órgãos repressivos franquistas" e a garantia do "direito de investigar as violações dos direitos humanos" ocorridas naquele período.

Até agora, as múltiplas tentativas de investigar judicialmente o regime de Franco na Espanha esbarraram em uma lei de anistia aprovada em 1977, durante a transição para a democracia, que decretava a prescrição de crimes políticos anteriores.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade