Publicidade

Estado de Minas

Boeing 737 MAX faz testes para voltar a voar


postado em 29/06/2020 21:13

A funcionários da agência reguladora da aviação civil nos Estados Unidos realizaram nesta segunda-feira (29) o primeiro voo para voltar a certificar o Boeing 737 MAX, um estágio crucial para a sobrevivência do carro-chefe da fabricante, que está em terra há mais de um ano após dois acidentes fatais.

Também nesta segunda, a Boeing recebeu a informação que a companhia aérea norueguesa Air Shuttle, de baixo custo, anunciou o cancelamento de uma encomenda de 97 aeronaves e afirmou estar buscando compensação pelas perdas sofridas pela não utilização dos aviões.

Esse modelo de aeronave está fora de uso desde 13 de março de 2019, após o acidente da Ethiopian Airlines, no qual 157 pessoas morreram. A queda ocorreu meses depois da queda do Lion Air MAX no Mar de Java, causando 189 mortes em outubro de 2018.

No teste desta segunda, a aeronave decolou às 16H55 GMT (13h55 de Brasília) de uma pista da Boeing em Seattle, segundo um porta-voz da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA).

O teste durou várias horas e terminou às 21H15 GMT (18h15 de Brasília), segundo um fotógrafo da AFP.

Os testes incluem "uma ampla gama de manobras e procedimentos de emergência para avaliar se as mudanças atendem aos padrões de certificação da FAA", anunciou o porta-voz que acrescentou que as análises vão durar cerca de três dias.

Esse modelo da aeronave foi questionado por autoridades da aviação em todo o mundo devido a semelhanças preocupantes entre os dois acidentes, que ocorreram logo após a decolagem.

Nos dois casos, os relatórios denunciaram que os pilotos não conseguiram manobrar o avião.

Durante meses, a Boeing trabalhou para que sua aeronave para médias distâncias - cujas vendas eram sua principal fonte de receita - voasse novamente.

Nos dois acidentes, as investigações apontaram para o sistema anti-desestabilização do MCAS, mas também foram detectadas irregularidades no sistema a cabo quando a empresa estava trabalhando em modificações no dispositivo, o que atrasou o processo de retorno ao serviço.

- Longo processo -

Por semanas, o fabricante aguardou a luz verde das autoridades para iniciar os voos de teste.

Embora a nova certificação seja uma etapa crucial, o regulador lembrou que o processo para que essas aeronaves voem novamente é mais longo.

"Embora os voos de certificação sejam uma etapa importante, existem várias tarefas importantes a serem concluídas", acrescentou o representante do órgão regulador, que reiterou que a agência "deliberará" e "revisará minuciosamente" o trabalho da Boeing antes do avião poder voar novamente.

As autoridades aeronáuticas devem testar as modificações feitas no avião, observando seu comportamento em voo e analisando também milhares de dados sobre o trajeto.

No entanto, a FAA já advertiu que estes testes não serão suficientes, já que o regulador foi acusado, após os dois acidentes, de uma relação estreita demais com a fabricante e atualmente há várias investigações em andamento, inclusive uma no Congresso americano.

O mercado parecia otimista com os testes e, nesta segunda-feira, as ações da Boeing fecharam em 194,49 dólares, com uma alta de 14,4%, uma grande recuperação que beneficiou o Dow Jones.

Para a Boeing, voltar a voar com esta aeronave é uma necessidade imperativa para deixar para trás uma crise histórica que derrubou seus balanços, já que este modelo representa dois terços de suas encomendas.

No fim de abril, o grupo anunciou a demissão de 10% de seus funcionários, o equivalente a 16.000 postos de trabalho. A agência de classificação de risco S&P; reduziu sua nota creditícia de A- a BBB, situando a empresa a um degrau da categoria especulativa.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade