Publicidade

Estado de Minas

FedEx reclama com governo dos EUA por restrições a envios


postado em 25/06/2019 15:19

A empresa FedEx se queixou do governo americano na segunda-feira (24), por considerar que as restrições de Washington às exportações e importações, em meio às crescentes disputas comerciais e sanções, geram uma "carga insuportável" para as companhias de postagem.

O anúncio foi feito em um momento em que Pequim e Washington enfrentam uma guerra comercial. Nela, ambos os lados fixaram tarifas sobre bilhões de dólares em exportações.

Os Estados Unidos também tentaram vetar a gigante de telecomunicações da China, Huawei, do mercado norte-americano, além de limitar sua capacidade de comprar tecnologia.

Em um comunicado, a empresa de envios afirmou que as restrições representam uma "carga irracional para a FedEx, por ter de monitorar os milhões de remessas que passam por sua rede todos os dias", ou enfrentar multas elevadas.

A empresa disse que é impossível para seus funcionários determinar "a origem e a composição tecnológica do conteúdo de todos os envios" que ela gera, e se eles cumprem as leis dos EUA.

O comunicado foi divulgado horas depois que a China pediu à FedEx para explicar por que um pacote da Huawei para os Estados Unidos não foi entregue, no segundo atrito entre as duas empresas em menos de um mês.

O CEO da FedEx, Fred Smith, disse à Fox News que "a Huawei é apenas um emblema deste problema", referindo-se a "situações confusas" que podem surgir quando os funcionários tentam cumprir as restrições.

"De acordo com os regulamentos do Departamento de Comércio, espera-se que sejamos a polícia desses controles de exportação e importação", disse.

"Além disso, embora lidemos com 15 milhões de remessas por dia, se cometermos um erro com qualquer um deles (...) podem nos multar por 250.000 dólares por peça", explicou.

A publicação PC Mag informou na última sexta-feira que um pacote da FedEx para os Estados Unidos contendo um telefone Huawei foi devolvido para o Reino Unido.

A FedEx, que acompanhou o pacote com uma nota explicativa garantindo que uma "questão" do governo dos EUA com a China impediu a entrega, pediu desculpas pelo incidente.

A China já abriu uma investigação contra a FedEx por ter enviado produtos da Huawei para os endereços errados.

Pouco depois da entrevista de Smith, o secretário americano do Comércio, Wilbur Ross, disse à Fox News que "o regulamento declara que as companhias de envio comuns não podem processar conscientemente pacotes que contrariam as listas da entidade, ou de outras autoridades de controle" das exportações.

"Mas isso não exige que uma empresa de transporte comum seja um policial, ou saiba o que há em cada pacote", disse ele.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade