Publicidade

Estado de Minas

Conselho de Segurança pede diálogo e fim da tensão entre Irã e EUA


postado em 24/06/2019 20:43

O Conselho de Segurança da ONU pediu nesta segunda-feira (24) diálogo para deter a escalada entre Estados Unidos e Irã, e medidas para apaziguar as tensões no Golfo.

Em uma declaração unânime redigida pelo Kuwait, o Conselho condenou os recentes ataques contra navios-cisterna no estreito de Ormuz, que classificou de ameaça o fornecimento mundial de petróleo e à paz e à segurança internacional.

Após uma reunião de duas horas, o Conselho instou todas as partes a impedir um confronto militar, embora não tenha mencionado diretamente o Irã.

A posição comum das potências mundiais se deu pouco depois de o presidente americano Donald Trump ter aplicado novas sanções contra o Irã, desta vez dirigidas ao líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, e oito comandantes dos Guardiães da Revolução, o exército ideológico do regime de Teerã.

Durante a reunião a portas fechadas, o embaixador do Irã nas Nações Unidas disse a jornalistas que as condições não estavam dadas para um diálogo com os Estados Unidos.

"Você não pode começar um diálogo com alguém que te ameaça, que te intimida", disse o diplomata Majid Takht Ravanchi, que acrescentou que a "ainda não tem clima para tal diálogo".

O Conselho convocou todos os países na região "a exercer o máximo controle e tomar medidas e ações para reduzir a escalada e a tensão".

"Os membros do Conselho perdem que as diferenças sejam discutidas de maneira pacífica e através do diálogo", acrescenta o texto respaldado pela Rússia, aliada do Irã, e pelos Estados Unidos.

Reino Unido, França e Alemanha pediram separadamente a "desescalada" e o "diálogo".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade