Publicidade

Estado de Minas

Mudanças climáticas são responsáveis pela morte de aves no Mar de Bering


postado em 29/05/2019 19:55

Quando um número incomumente grande de carcaças de papagaios-do-mar começou a chegar à ilha de St. Paul, no Alasca, no outono de 2016, a população local ficou alarmada.

No início, eles suspeitaram que as aves marinhas poderiam ter gripe aviária - mas os laboratórios no continente logo descartaram qualquer doença, descobrindo que as aves marinhas conhecidas por seus bicos coloridos haviam morrido de fome.

Em um novo estudo publicado nesta quarta-feira, pesquisadores concluíram que as mortes, que ocorreram entre outubro de 2016 e fevereiro de 2017, atingiram os milhares - e foram parte de um número crescente de mortes em massa registradas uma vez que as mudanças climáticas causam estragos nos ecossistemas marinhos.

O estudo, publicado na revista PLOS ONE, descobriu que, embora os habitantes locais tenham recuperado apenas 350 carcaças, entre 3.150 e 8.500 aves podem ter sucumbido à fome.

A maioria eram papagaios-do-mar e o restante eram auklets com crista.

A equipe de pesquisa, que incluiu cientistas da Universidade de Washington e do Departamento de Conservação de Ecossistemas da Ilha de St. Paul, disse que a partir de 2014, o aumento das temperaturas atmosféricas e a diminuição do gelo marinho no inverno levaram a declínios nas presas ricas em energia do Mar de Bering.

Os papagaios-do-mar que se reproduzem no Mar de Bering alimentam-se de pequenos peixes e invertebrados marinhos, que por sua vez comem plâncton oceânico.

"Não havia gordura ali, a musculatura estava literalmente se desintegrando", disse Julia Parrish, coautora do estudo, sobre os pássaros, que foram levados pelo mar para a ilha, a cerca de 480 km a leste do continente.

Segundo os cientistas, o Alasca como um todo vem aquecendo duas vezes mais rápido que a média global, com temperaturas recorde no início deste ano.

"Os papagaios-do-mar são um dos vários sinais registrados que conectam a física do sistema - o quão frio ou quente é - à biologia do sistema", disse à AFP. "Eles simplesmente são um sinal gráfico muito visível".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade