Publicidade

Estado de Minas

Avalanches de lama deixam morte e destruição em povoados do Peru

Chuvas fortes nos Andes causaram dezenas de deslizamentos de terra que mataram pelo menos 11 pessoas


postado em 10/02/2019 16:25 / atualizado em 10/02/2019 16:39

(foto: Andres Valle/AFP)
(foto: Andres Valle/AFP)

Chuvas fortes nos Andes causaram dezenas de deslizamentos de terra que mataram pelo menos 11 pessoas, danificaram centenas de casas e deixaram o zona sul do Peru isolado pela queda de uma ponte na estrada Pan-Americana, disseram autoridades no domingo.


Os corpos de duas crianças foram recuperados após deslizamentos de terra e inundações nas regiões do sul de Moquegua e Tacna, de acordo com relatórios oficiais.


Uma das crianças morreu na cidade de Mirave, perto da cidade de Tacna, na fronteira com o Chile.


"Mirave é uma pequena cidade que foi completamente destruída", disse o presidente peruano Martín Vizcarra à televisão no domingo, depois de visitar a vila onde todos os moradores perderam suas casas.


Outro menino de 12 anos morreu no município de Ubinas ao tentar salvar um irmão arrastado pelo transbordamento do rio Moquegua, na região de mesmo nome.


Vizcarra também inspecionou os danos nas regiões de Arequipa e Moquegua, perto de Tacna, e disse que as 430 famílias afetadas por Mirave terão que ser "realocadas" em outro lugar.


(foto: Andres Valle/AFP)
(foto: Andres Valle/AFP)

Além de arrastar o menino de 12 anos em Ubinas, o transbordamento do rio Moquegua derrubou a ponte Montalvo, no quilômetro 1.091 da rota Pan-Americana Sul, que isolou as cidades de Moquegua e Tacna do resto do país.


Cinco pessoas morreram nos últimos dois dias em duas avalanches em Arequipa: dois homens e um adolescente na cidade de Aplao e dois mineiros no Rio Grande, de acordo com o relatório oficial.


Essas vítimas se somam aos quatro membros de uma família (um pai e três filhas pequenas) que morreram há 10 dias quando uma colina desabou em sua casa na cidade de Suchimán, na região de Ancash, a 400 km ao norte de Lima.


As autoridades não forneceram um balanço nacional atualizado do número de vítimas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade