Publicidade

Estado de Minas

China exige que EUA apresentem provas em caso de espionagem econômica


postado em 02/11/2018 08:34

A China desafiou nesta sexta-feira o governo dos Estados Unidos a apresentar provas sobre o envolvimento de Pequim em um caso de roubo de segredos comerciais de um fabricante americano de semicondutores por empresas chinesas e taiwanesas.

"Se o governo dos Estados Unidos está realmente preocupado, deveria apresentar provas concretas", afirmou em uma entrevista coletiva Lu Kang, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

A justiça americana acusou na quinta-feira uma empresa controlada pelo governo chinês, uma empresa taiwanesa e três cidadãos taiwaneses de tentativa de roubo de segredos industriais da Micron Technology.

"Como este caso e outros casos recentes demonstraram, a espionagem econômica chinesa contra os Estados Unidos aumenta, e aumenta rapidamente", afirmou o procurador-geral americano, Jeff Sessions.

Micron, com sede em Idaho, é a quarta maior fabricante mundial de semicondutores, com uma participação de mercado de 20 a 25% da indústria DRAM (chips de memória dinâmica), "uma tecnologia que os chineses não possuíam até recentemente", destacou Sessions, que avaliou os danos em 8,75 bilhões de dólares.

A acusação apresentada no tribunal distrital de San Jose, Califórnia, alega que a estatal chinesa Fujian Jinhua Integrated Circuit Co. e a empresa privada taiwanesa United Microelectronics Corporation (UMC), juntamente com três executivos desta última, conspiraram para roubar segredos comerciais da Micron.

De acordo com o processo, o objetivo era ajudar a UMC e a Fujian Jinhua a desenvolverem chips DRAM, usados em muitos processadores digitais.

A acusação acrescenta que os três executivos taiwaneses - Stephen Chen Zhengkun, He Jianting e Kenny Wang Yungming - trabalharam anteriormente na Micron e roubaram sua tecnologia quando se uniram à UMC com o propósito expresso de transferi-la para a Fujian Jinhua.

Chen era um executivo sênior da Micron, depois liderou a UMC e mais tarde tornou-se presidente da Fujian Jinhua.

O movimento representou uma grande ameaça para a Micron, empresa avaliada em cerca de US$ 100 bilhões.

A acusação é feita quatro meses depois que a Fujian Jinhua ganhou uma disputa de patentes contra a Micron em um tribunal chinês, obtendo um pedido para que a empresa americana suspendesse as vendas na China de mais de uma dúzia de produtos.

Em retaliação, o Departamento de Comércio americano impôs fortes restrições à capacidade da Fujian Jinhua de comprar maquinário e materiais para suas fábricas na segunda-feira.

Além das acusações criminais anunciadas nesta quinta-feira, o Departamento de Justiça entrou com uma ação civil para bloquear as importações de qualquer produto da UMC e da Fujian Jinhua usando tecnologia roubada da Micron.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade