Publicidade

Estado de Minas

Mattis pede cessar-fogo no Iemên e negociações de paz nos próximos 30 dias


postado em 30/10/2018 21:59

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, pediu nesta terça-feira (30) um cessar-fogo no Iêmen e que os partidos sentem à mesa de negociações nos próximos 30 dias.

O chefe do Pentágono disse que os EUA vêm observando o conflito "por tempo suficiente" e disse acreditar que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que estão em uma coalizão apoiada pelos EUA combatendo os rebeldes xiitas huthi, estejam prontos para negociações.

"Temos que nos mover em direção a um esforço de paz aqui, e não podemos dizer que vamos fazer isso em algum momento no futuro", disse Mattis no Instituto de Paz dos EUA em Washington. "Precisamos fazer isso nos próximos 30 dias".

Ele disse que os Estados Unidos estão pedindo a todas as partes em conflito que se encontrem com o enviado especial da ONU, Martin Griffiths, na Suécia, em novembro, e "chegar a uma solução".

A Arábia Saudita e seus aliados intervieram no conflito entre o presidente do Iêmen Abedrabbo Mansour Hadi, cujo governo é reconhecido pelas Nações Unidas, e os huthis em 2015.

Quase 10.000 pessoas já foram mortas e o país agora está à beira da fome.

Os Estados Unidos enfrentaram duras críticas internacionais por seu papel no apoio à coalizão liderada pela Arábia Saudita, especialmente depois que uma série de ataques matou dezenas de civis.

Mattis disse que o apoio dos EUA se baseia principalmente no treinamento da força aérea saudita para que ela melhore o alvo e não soltar bombas quando houver qualquer dúvida sobre o que eles podem atingir.

"Nosso objetivo agora é alcançar um nível de capacitação por parte dessas forças que lutam contra os huthis para que eles não matem pessoas inocentes", disse ele.

No mês passado, as negociações de paz lideradas pela ONU não avançaram depois que os rebeldes huthis se recusaram a voar para Genebra por causa do que eles disseram ser uma falha da ONU em garantir um retorno seguro à capital Sanaa, controlada pelo grupo desde 2014.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade