Publicidade

Estado de Minas

Uma jornalista argentina e dois britânicos detidos na Venezuela, diz sindicato


postado em 14/09/2018 18:36

Três jornalistas - uma argentina e dois britânicos - foram detidos nesta sexta-feira (14) por militares venezuelanos na localidade de Paraguachón (noroeste), fronteiriça com a Colômbia, denunciou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP, em espanhol).

"Os jornalistas Laura Saravia (argentina), Barney Green e Dan Rivers (ambos britânicos), foram detidos em Paraguachón, Zulia, quando saíam do país", assinalou o SNTP em sua conta no Twitter.

"Não se sabe o paradeiro dos três jornalistas", que "estiveram na Venezuela durante três dias fazendo reportagens sobre turismo", acrescentou o sindicato. Sua data de entrada na Venezuela não está clara.

Em um comunicado, a Chancelaria da Argentina disse ter "tomado conhecimento" de que Saravia, "junto com uma equipe de imprensa internacional (...) foi detida". O documento acrescentou que sua embaixada em Caracas cuida do assunto para velar pelos direitos da jornalista.

O SNTP assinalou que na quarta-feira passada também foram presas três pessoas contratadas para a segurança dos repórteres, que se encontram na sede do serviço de Inteligência (Sebin) na cidade de Maracaibo, capital de Zulia.

O sindicato não detalhou para qual meio de comunicação trabalham. Contudo, em suas redes sociais consta que prestam serviço à emissora britânica Independent Television News (ITN).

Rivers foi correspondente da emissora CNN em Londres e Bangcoc, segundo a sua apresentação no LinkedIn, enquanto Saravia tem uma longa trajetória que inclui empresas como BBC, NBC e Televisa, de acordo com o currículo publicado em seu blog.

Cinegrafista e editor, Green fez parte do Sky News em Londres e Washington, segundo seu perfil no LinkedIn

Vários jornalistas estrangeiros foram deportados nos últimos anos pelas autoridades venezuelanas por não terem permissão para desempenhar o seu ofício no país, que suscita grande interesse da imprensa por sua grave crise socioeconômica, apesar de ter as maiores reservas petroleiras do mundo.

Organizações como SNTP e Espaço Público acusam o governo do presidente socialista Nicolás Maduro de violar continuamente a liberdade de expressão mediante o fechamento de meios de comunicação, a censura e as restrições para a entrega de papel jornal, monopolizada pelo Estado.

Maduro acusa as corporações midiáticas internacionais de estar a serviço de uma campanha dos Estados Unidos e da oposição local para derrubá-lo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade