Publicidade

Estado de Minas

Terremoto de 8,2 graus deixa ao menos 58 mortos no México


postado em 08/09/2017 19:37

Ao menos 58 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas em um potente terremoto que sacudiu nesta sexta-feira o sul do México, o "maior registrado" no país nos últimos 100 anos.

As autoridades advertiram sobre fortes réplicas após o sismo de magnitude 8,2 e disseram que o balanço de mortos pode aumentar nas próximas horas.

Muitos habitantes da pequena cidade de Juchitán, no sudeste do estado de Oaxaca, ainda estavam em pânico.

As réplicas foram sentidas "cerca de quatro vezes", disse à AFP Rubisel Fuentes, um funcionário de 24 anos, enquanto observava chocado os restos de um edifício na rua.

Escombros, edifícios quase totalmente destruídos e fissuras: Oaxaca é até agora o estado mais atingido, com 45 mortos, informou no Twitter o titular de Proteção Civil do governo federal, Luis Felipe Puente.

Deles, 17 faleceram em Juchitán, afirmaram as autoridades.

Puente também reportou 10 mortos no vizinho estado de Chiapas, em cuja costa foi o epicentro do tremor. Ambos os estados têm constantemente uma grande afluência de turistas.

Três pessoas também morreram no estado de Tabasco.

- "O maior" do século -

"Mais de 200 ficaram feridos no #terremoto", escreveu o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, em sua conta do Twitter. Até o momento foram registradas mais de 260 réplicas, a mais intensa de 6,1 graus, indicou.

O México também está ameaçado pelo furacão Katia, de categoria 2, que avança nesta sexta-feira pelo Golfo do México ao estado de Veracruz, em uma terrível semana na qual outros dois furacões, Irma e José, deixaram mortos e graves danos materiais ao cruzar o mar do Caribe.

O terremoto é o "maior registrado no país nos últimos 100 anos", disse Peña Nieto em uma mensagem na televisão divulgada pouco depois do sismo.

"É possível que, dentro das próximas 24 horas, seja registrada uma réplica de um grau a menor que o terremoto, ou seja, de 7,2 graus", acrescentou.

O sismo ocorreu às 23h49 locais de quinta-feira (01h49 de Brasília de sexta-feira) perto da localidade de Tonalá (Chiapas), a 100 km da costa e a uma profundidade de 19 km.

O pânico se apoderou, de norte a sul, de grande parte dos 120 milhões de habitantes do país. Muitos saíram para as ruas de pijama, carregando seus filhos ou animais domésticos.

Por enquanto, nos estados do centro do país e na capital, Cidade do México, não foram registrados maiores danos materiais e nem reportaram vítimas.

O papa Francisco fez, da Colômbia, uma oração pelas vítimas do terremoto e do devastador furacão Irma no Caribe.

"Desejo manifestar minha proximidade espiritual a todos os que sofrem as consequências do terremoto que atingiu o México na noite passada provocando mortes e custosos danos materiais", disse o papa ao fim de uma missa em Villavicencio, no centro do país.

- "Mais outro não" -

O tremor fez reviver para muitos o pesadelo do terremoto de 8,1 graus de 19 de setembro de 1985 que devastou a cidade e deixou 10.000 mortos.

"Mais outro não, Deus, por favor não", rezava de joelhos uma mulher de 60 anos.

Nas ruas do centro da cidade foram ouvidos gritos enquanto alguns vidros quebravam.

O México se localiza entre cinco placas tectônicas, cujos movimentos convertem o país em um dos que registra maior atividade sísmica no mundo.

Após o terremoto de 1985, as regulamentações em matéria de construção e os planos de proteção civil endureceram.

- Danos na Guatemala -

O tremor também sacudiu a maior parte da Guatemala, deixando pelo menos quatro pessoas feridas e 94 danificados pela destruição em suas casas, informaram as autoridades nesta sexta-feira.

O secretário da Coordenadoria para a Redução de Desastres (Conred), Sergio Cabañas, disse em coletiva que duas menores de idade foram levadas ao hospital com fraturas, enquanto outros dois lesionados foram atendidos no local.

Cabañas também detalhou que 3.586 pessoas foram atingidas por outros problemas como cortes nos serviços básicos ou danos nas estradas.

O presidente Jimmy Morales sobrevoou nesta sexta as zonas mais atingidas da Guatemala e ordenou o envio de ajuda humanitária.

"Minha solidariedade e apoio às famílias guatemaltecas que foram atingidas pelo forte sismo que afetou Guatemala e México; estamos analisando como apoiar os afetados pelo terremoto", afirmou Morales em reunião de trabalho na capital.

O governante expressou suas condolências ao povo mexicano pelas dezenas de mortos e pelos graves danos causados.

"Os guatemaltecos lamentam as vítimas fatais no México, nossa solidariedade com o povo-irmão mexicano", indicou Morales em seu Twitter.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade