UAI
Publicidade

Estado de Minas TRANSFOBIA

Trans é atacada e amigos filmam agressão; Polícia Civil busca o homem

Agressão aconteceu na madrugada de quinta-feira (21/10) no Bairro Custódio Pereira, zona Leste de Uberlândia; Polícia já identificou o suspeito


22/10/2021 13:41 - atualizado 22/10/2021 14:21

imagem de vídeo mostrando homem sem camisa aplicando uma 'rasteira' em outra pessoa
Momento da agressão filmado por amigos do criminoso (foto: Reprodução)
A Polícia Civil busca o homem que agrediu uma transexual em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e foi filmado por amigos. O vídeo, que mostra ainda o agressor comemorando e rindo com amigos, viralizou por redes sociais. A vítima disse que não conhece o homem e afirmou se tratar de um crime de ódio.
 
A agressão aconteceu na madrugada de quinta-feira (21/10) no Bairro Custódio Pereira, zona Leste da cidade. As imagens gravadas mostram o passageiro descendo de um carro e chamando a trans e, em seguida, dá uma rasteira nela sem qualquer justificativa. A trans cai. Depois ele volta correndo para o veículo e foge. Em seguida, entre risadas e gritos, ele comemora a agressão com amigos que também estão no veículo.
 
Luara Silva contou à reportagem que estavam mais de duas pessoas no carro e que viu o grupo em um posto ali próximo, na Avenida Floriano Peixoto. Ela ainda afirmou que não foi perturbada pelos homens antes da agressão em si.

“Nunca passei por uma situação igual a essa”, disse a vítima. Com o chute e a forma como caiu, um dos tornozelos foi ferido e ficou inchado. Ela ainda perdeu o aparelho celular no mesmo dia.
 
De acordo com a Polícia Civil, há um suspeito, que será chamado para reconhecimento e, se for o caso, prestar depoimento.

Transfobia

Atualmente Luara trabalha como doméstica durante o dia e faz distribuição de camisinhas em uma atividade social desenvolvida pela ONG Triângulo Trans, pela qual ela responde há oito anos aproximadamente.
 
Para a vítima, esse foi um crime de transfobia. “Acho que se tratou de um total desrespeito a uma pessoa e também um crime de ódio. Queria saber o motivo, só porque ele não leva a sério minha orientação sexual?”, questionou.
 
Luara contou que nesta mesma semana uma outra mulher trans foi agredida na cidade de Uberlândia, com ovos sendo jogados contra ela. O rosto da vítima foi machucado.
 
“Destacamos que tal atitude é incompreensível, colocando-a (Luara) no lugar de qualquer ser humano. (…) Todo ser humano merece ser respeitado e tratado da mesma forma”, diz nota da ONG Triângulo Trans, divulgada na página oficial da entidade.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade