Publicidade

Estado de Minas Coronavírus avança

Interior de Minas se fecha para conter nova onda de contaminação

Estado volta a bater recorde, com 7.812 casos em 24 horas, e das 14 regiões de saúde, 12 estão nos níveis restritivo ou intermediário para o comércio


09/01/2021 04:00 - atualizado 09/01/2021 07:18

Comércio de São João del-Rei voltou a ser fechado, após notificação do Ministério Público para que a cidade retornasse com as medidas mais duras contra o vírus(foto: Orlando Paiva Barros/Divulgação %u2013 27/3/19)
Comércio de São João del-Rei voltou a ser fechado, após notificação do Ministério Público para que a cidade retornasse com as medidas mais duras contra o vírus (foto: Orlando Paiva Barros/Divulgação %u2013 27/3/19)

Volume recorde de diagnósticos para COVID-19 volta a assustar em Minas Gerais, impondo novas medidas restritivas à circulação de pessoas, enquanto profissionais da Saúde e cientistas lutam contra os efeitos da doença respiratória. Ontem, o estado registrou mais um pico de contaminações com 7.812 infectados pelo vírus em apenas 24 horas.

O que não é fácil compreender, segundo especialistas ouvidos pelo Estado de Minas, é como parte da população ainda não tem consciência de que a doença mata. Depois das flexibilizações do funcionamento do comércio, aglomerações durantes as eleições municipais e as festas de fim de ano, o estado enfrenta agora  segunda onda de infecções.

Segundo o informe epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), no mesmo período de um dia, a doença matou 103 pessoas. O total de infecções em todo estado é de 579.469. Os óbitos, desde o início da pandemia, somam 12.469. Ainda de acordo com o boletim, 46.267 pacientes estão em acompanhamento e 520.733 já se recuperaram da virose. O novo coronavírus provocou mortes em 712 dos 853 municípios. Não há municípios sem contaminados.

As restrições crescem em várias regiões do estado, da Grande Belo Horizonte à porção central de Minas e ao Sul, onde a população vive a ameaça de colapso no sistema de saúde. 

O programa do governo estadual Minas Consciente, que orienta sobre a flexibilização da quarentena para flexibilização das atividades econômicas, tem 10 regiões do estado na onda vermelha, considerada a mais restritiva. Das 14 localidades, duas estão no patamar amarelo, ou seja, intermediário. São elas: Norte e Triângulo do Norte. Apenas as regiões Noroeste e Triângulo do Sul estão na onda verde, a mais liberal.

Áreas enquadradas na fase mais restritiva podem autorizar apenas o funcionamento de serviços essenciais, como farmácias, supermercados, padarias e bancos. Essa medida visa diminuir o contágio do vírus. Para avançar para a onda verde, as cidades precisam estar há 28 dias consecutivos na onda amarela, sem sofrer retrocessos durante esse período. Apenas a localidade Triângulo do Sul está na fase mais liberal do plano. Em Belo Horizonte, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) também anunciou o fechamento do comércio e serviços não essenciais a partir da próxima segunda-feira.

Essas medidas são fundamentais para frear o avanço da doença. “A ocupação de leitos e óbitos vem aumentando. A taxa de infecção está maior a cada dia. Isso tudo significa que a curva da doença está crescendo”, explica Alexandre Reis, doutor em ciências biológicas, professor da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e especialista em doenças infecciosas e parasitárias.

Reis atribui o aumento da disseminação dos casos ao relaxamento da população com os cuidados sanitários e prevê elevação dos diagnósticos. “A gente vê os resultados desse movimento de fim de ano que já estava ocorrendo desde as eleições”, lamenta o professor.

O especialista acredita também que a subnotificação volta  a ser realidade  em Minas e denuncia a falta de insumos para diagnósticos. “Os municípios do interior estão notificando seus casos por diagnóstico clínico porque não têm  comprovação laboratorial”, afirma Reis.

Questionada pelo Estado de Minas, a SES-MG confirmou que faltam insumos para o manuseio das amostras e reagentes no laboratório, como  microtubos, tubos, placas de qPCR e selantes, ponteiras com filtro. Por meio de nota, a pasta justificou que há demanda extraordinária devido à pandemia.

“Houve aumento na demanda desses produtos, causando falta de matéria-prima e incapacidade produtiva para fabricação do produto acabado. O fato ainda foi agravado pelo crescente de contaminações que se iniciou na Europa. Dessa forma, os fornecedores solicitaram postergação, de no mínimo 30 dias úteis, na data de entrega dos itens adquiridos”, diz a nota. A reportagem mostra a situação em diversos municípios do interior de Minas.

Sob ameaça de colapso no sistema de saúde, Alfenas, no Sul de Minas, que fez testagem em massa, atingiu 90% de ocupação das UTIs(foto: Rotary Clube Alfenas/Divulgação %u2013 20/7/10)
Sob ameaça de colapso no sistema de saúde, Alfenas, no Sul de Minas, que fez testagem em massa, atingiu 90% de ocupação das UTIs (foto: Rotary Clube Alfenas/Divulgação %u2013 20/7/10)


>> CONTAGEM
A prefeita Marília Campos convocou entidades de classes, proprietários de academias, salões de beleza, lideranças religiosas, sindicatos e associações para uma reunião virtual, em que serão discutidas medidas de restrição para conter a COVID-19. A cidade vive período crítico em relação às internações, com ocupação de 86% dos leitos de UTI próprios para COVID-19, e de 84% dos leitos de enfermaria. Contagem tem 14.213 casos confirmados de COVID-19 e 540 mortes em decorrência da doença. O índice de transmissão na cidade é maior do que em Belo Horizonte, de 1,19, o que indica que 100 pessoas contaminadas podem passar o vírus para outras 119. 

>>FORMIGA
A cidade do Centro-Oeste de Minas determinou o fechamento hoje de todos os serviços não essenciais, que poderão funcionar apenas no sistema de delivery. Em duas semanas, registrou 248 casos confirmados de COVID-19, que já acumulam 2.132 notificações. A restrição ao comércio é válida por oito dias e será revisada semanalmente. Na manhã de quinta-feira, foi confirmado a 37º morte em decorrência da doença, de um homem de 68 anos, que  era hipertenso e estava internado em Campo Belo. Novo decreto municipal prorrogou a suspensão de cirurgias eletivas, bem como os atendimentos eletivos no Centro Municipal de Atenção à Saúde (CEMAS). Os cinco leitos de UTI exclusivos para pacientes com quadro clínico compatível com a COVID-19 serão reabilitados na Santa Casa de Formiga.

>> CORONEL FABRICIANO
A Prefeitura de Coronel Fabriciano, na Região Central do estado, anunciou a prorrogação do Decreto nº 7.449, proibindo a realização de eventos no município por 90 dias por causa da pandemia do novo coronavírus. E cancelou as comemorações do aniversário da cidade, que ocorre todo ano em 20 de janeiro, dia do padroeiro da cidade, São Sebastião. O Decreto Municipal, de 28/12/2020, proibiu a realização de quaisquer eventos com potencial de aglomeração de pessoas, seja com som ao vivo 
ou mecânico, independentemente da modalidade. Bares, restaurantes e lanchonetes podem funcionar até às 23h, respeitando as medidas sanitárias e distanciamento social mínimo.

>>IBIRITÉ
Devido ao aumento dos casos da COVID-19 e a taxa de ocupação dos leitos de UTI do Hospital de Campanha em 75%, a Prefeitura de Ibirité, na Grande BH,  definiu pelo funcionamento do comércio e serviços da cidade de forma escalonada. A prefeitura também não terá atendimento presencial por tempo indeterminado. Apenas casos excepcionais e previamente autorizados serão atendidos. São 4.291 casos confirmados da COVID-19, sendo 2.921 recuperados e 95 mortes pela doença., disse o prefeito.

>>SÃO TIAGO
A Prefeitura do município localizado no Campo das Vertentes, a 200 quilômetros de BH, decretou o fechamento de comércio não essencial, das praças da cidade e do distrito Mercês de Água Limpa. Os bloqueios nas praças vão das sextas-feiras até às 8h de segunda-feira. A medida vale por tempo indeterminado. e durante os dias de semana a circulação é livre pelas praças. Além dos decretos de restrição aos espaços, a prefeitura prorrogou o prazo da vigência do estado de calamidade pública até junho. O município registrou 92 casos confirmados de pessoas infectadas pelo novo coronavírus e seis mortes.

>>NOVA UNIÃO
Dos 34 municípios que compõem a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), apenas Nova União não tem registro de morte pelo novo coronavírus. No último boletim epidemiológico divulgado pela secretaria de saúde de Nova União, na quinta-feira (07/01), a cidade acumula 73 casos confirmados, sendo 69 já recuperados. Atualmente, apenas quatro pessoas se encontram em isolamento. Nenhum óbito foi registrado pela COVID-19 na cidade. Festas, confraternizações, atividades culturais em recintos abertos ou fechados, atividades esportivas coletivas em quadras, campos de futebol ou afins, estão proibidas.

>>SÃO JOÃO DEL-REI
Após notificação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), a prefeitura de São João Del-Rei, na Região do Campos das Vertentes, publicou decreto na quinta-feira colocando o município na Onda Vermelha do programa Minas Consciente. O comércio varejista, que havia sido autorizado a funcionar em dezembro, volta a fechar.  Os estabelecimentos podem continuar com as vendas remotas, por meio de telefone, aplicativos e sites. A retirada no balcão é permitida, porém, é preciso instalar uma barreira física na entrada das lojas e não permitir aglomerações.

>>UBERABA
Após ficar internada por quatro dias no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM), em Uberaba, uma menina de apenas um ano, que apresentava comorbidades, morreu vítima da COVID-19. É o segundo caso de morte de criança no município, onde 246 pessoas já perderam a vida para a doença. Em outubro do ano passado, morreu na cidade um menino de 6 anos. Em 48 horas, Uberaba registrou mais 231 novos casos da doença, chegando 10.289 infectados desde o início da pandemia. A ocupação de leitos de UTI pública está em 14% e privada em 54%. Já a ocupação de leitos de enfermaria pública está em 13% e privada em 23%.

Transmissão avança e força lockdown no Sul

O Sul de Minas está em alerta com o avanço da COVID-19 e sob ameaça de colapso no sistema de saúde. A Prefeitura de São Sebastião do Paraíso confirmou 76 casos e quatro mortes pela doença nesta semana. São Tomé das Letras registrou mais seis pessoas infectadas na quinta-feira, enquanto Alfenas atingiu 90% dos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Em Guaxupé, foi decretado lockdown por 10 dias e a prefeitura proibiu reuniões em igrejas, templos e entidades religiosas. não essencial também foi proibido pelo período de 10 dias.

De acordo com a Prefeitura de São Sebastião do Paraíso, com os novos casos registrados nesta semana, o município notifica, ao todo, 1.785 pessoas infectadas, sendo 54 mortes em decorrência da COVID-19. O prefeito Marcelo Morais (PSC) informou que a cidade enfrenta os reflexos das festas de fim de ano.

Nesse cenário, os leitos de UTI para COVID-19 chegam a 66,6% de ocupação e os de enfermaria estão com 63,15%. A administração pública ameaça cassar alvarás de estabelecimentos que não cumprirem as regras de prevenção à COVID-19.

O avanço do novo coronavírus em São Tomé das Letras também se intensificou nesta semana. O boletim municipal divulgou nove pessoas infectadas e outros 15 suspeitos. Somente na quinta-feira foram mais seis casos positivos da doença. Na quarta-feira, a cidade constatou um novo caso positivo e o prefeito empossado, Tomé Reis Alvarenga (MDB), gravou um vídeo para alertar a população. Festas com aglomerações seguem proibidas na cidade. Inclusive, a tradicional queima de fogos no réveillon foi cancelada.

A Prefeitura de Alfenas também está preocupada com aumento expressivo de casos de COVID-19 na cidade. O último boletim municipal divulgou 2.730 pessoas infectadas, sendo 64 mortes em decorrência da doença. Segundo a prefeitura, em 10 dias, a cidade somou mais 239 registros do novo coronavírus e mais uma morte.

“É o resultado das aglomerações das festas de fim de ano. Infelizmente atingimos 90% da ocupação dos leitos de UTI/COVID, mesmo com a abertura de 10 novos leitos nas últimas semanas. Dos 30 leitos de UTI disponíveis exclusivamente para COVID-19 temos neste momento 26 ocupados”, alerta Carlos Marcelo, diretor clínico da Santa Casa de Alfenas.

A Prefeitura de Guaxupé decretou quarentena de 10 dias para conter o avanço da COVID-19 na cidade. A decisão foi publicada na quinta-feira e começa a valer hoje. A decisão foi tomada após a Santa Casa da cidade atingir 100% de ocupação dos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A administração municipal fez o anúncio em uma live na página oficial.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade