Publicidade

Estado de Minas

Kalil garante que em BH não vai faltar salário de servidores e remédio até 2020

O administrador municipal informou que o fornecimento dos remédios para os postos de saúde está quase 100%. Além disso, garantiu os salários dos servidores e o pagamento dos fornecedores até 2020


postado em 26/07/2018 18:22 / atualizado em 26/07/2018 18:33

(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

A falta de medicamentos e insumos em Belo Horizonte chegou a ser um problema. Mas, segundo o prefeito Alexandre Kalil (PHS), a situação está resolvida por ao menos dois anos. O administrador municipal informou que o fornecimento dos remédios para os postos de saúde está quase 100%. Além disso, garantiu, no mesmo período, os salários dos servidores e o pagamento dos fornecedores.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, Kalil informou que o maior problema na distribuição dos medicamentos é a burocracia. “Eu garanto a população de Belo Horizonte que até 2020 a prefeitura não atrasa salário, fornecedor e não falta remédio. Nós pegamos com 40% de remédio nos postos. E temos hoje 97% de fornecimento atualizado. Agora, acaba um contrato ali, falta aqui. Eu garanto para a população de Belo Horizonte que não tem problema para falta de remédio a não ser burocracia ou incompetência. Graças a Deus para a burocracia e incompetência tem solução. Agora, dinheiro não tem”, disse.

O atraso no repasse dos medicamentos e insumos levou a prefeitura a fazer compras emergenciais. Em junho do ano passado, Kalil utilizou as redes sociais para anunciar a compra de fitas de glicemia, utilizadas por pacientes diabéticos. “Agora não vai faltar. Estamos comprando porque deu problema com o pregão, o que não justifica. A falta de remédio ou é falta de competência, e já estão olhando internamente de quem foi a incompetência de deixar faltar, ou falta de dinheiro, o que não é o caso. Hoje às 14h30 estarei recebendo as caixas”, disse. Na época, foram adquiridas 250 mil fitas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade