Publicidade

Estado de Minas

Duplicação da BR-381, a Rodovia da Morte, dá importante passo em Brasília

Dnit abre hoje processo licitatório para duplicar uma das mais movimentadas e perigosas rodovias que cortam Minas. RDC promete dar agilidade ao projeto


postado em 13/06/2013 06:00 / atualizado em 13/06/2013 06:38

Até a segunda-feira serão conhecidas as empresas vencedoras da licitação(foto: Rodrigues/EM/D.A Press)
Até a segunda-feira serão conhecidas as empresas vencedoras da licitação (foto: Rodrigues/EM/D.A Press)

A duplicação da BR-381, no violento trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares (Vale do Rio Doce), dá hoje um importante passo, com a abertura das propostas iniciais de preço e técnicas, em sessão pública a partir das 9h, na sede do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), em Brasília. Até a segunda-feira serão conhecidas as empresas vencedoras da licitação para elaborar os projetos básicos e executivos e assumir as obras de duplicação e ampliação de capacidade e de segurança entre os kms 155,4 (MG-020/Avenida Cristiano Machado, em BH) e 458,4 (entroncamento com a BR-116, em Valadares).

O projeto de referência do Dnit prevê que, além da duplicação de 303 quilômetros de rodovia ao Norte, serão construídas 99 obras de artes específicas, como pontes e viadutos, e cinco túneis. Atualmente, a rodovia é duplicada entre Belo Horizonte e São Paulo e, com a conclusão do novo trecho, será ampliada a capacidade de tráfego que corta o país através do estado. “A duplicação da BR-381 é fundamental para a economia do Brasil e de Minas Gerais, mas é mais importante ainda para a vida de todos nós, mineiros. A abertura da licitação para as obras mostra o compromisso da presidente Dilma com o nosso estado”, destacou ontem à noite o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel.

O Edital da Licitação 165/13 foi publicado em 28 de março e, no fim do mês passado, foi encerrado o prazo para esclarecimentos aos interessados. O trecho de 303 quilômetros da BR-381, que inclui o percurso conhecido como Rodovia da Morte, entre BH e João Monlevade, foi dividido em 11 lotes para execução das obras, que incluem duplicação, melhoramentos e ampliação de capacidade e segurança. Como a licitação é em regime diferenciado de contratação (RDC), na modalidade contratação integrada, o processo de análise das propostas será mais rápido e acredita-se que em agosto já estejam assinadas as ordens de serviço para que as empresas vencedoras iniciem a elaboração dos projetos. Já existe um projeto de referência elaborado pelo Dnit, que deverá ser aprimorado.

A contratação em RDC traz outras vantagens, segundo o governo federal, já que o grupo que vai elaborar o projeto também vai executar as obras. Com isso, a gestão de risco passa a ser de responsabilidade do mercado, sem nenhum aditivo. A exigência de seguro performance, nessa modalidade, garante a conclusão das obras, independentemente de problemas alheios à empresa contratada ou ao Dnit.

Hoje, a partir das 9h, o Dnit recebe as propostas dos lotes 1 a 5. Amanhã, a partir das 14h, serão entregues os documentos referentes aos lotes 6 e 7. Na segunda-feira, em sessão pública que começa às 9h, será encerrada a entrega das propostas dos lotes 8 a 11. Logo depois de aberta a sessão, as empresas interessadas são credenciadas pela comissão de licitação e entregam os envelopes com carta de apresentação e proposta de preço. As que apresentarem menor valor são classificadas para a fase de lances abertos, verbais, respeitando o intervalo mínimo de 1% do valor da proposta inicial mais vantajosa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade