Publicidade

Estado de Minas

História de sucesso começou em Ubá


postado em 30/03/2011 07:31 / atualizado em 30/03/2011 08:15

Antonio Luciano da Costa lembra que o ex-vice-presidente Alencar
Antonio Luciano da Costa lembra que o ex-vice-presidente Alencar "sempre gostou de um bom papo" (foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press)
 

Ubá – De presidente da Associação Comercial e Industrial de Ubá ao cargo de vice-presidente da República. A vida política de José Alencar Gomes da Silva começou em Ubá, onde ele desembarcou depois da morte do irmão Geraldo e, em 26 de janeiro de 1965 foi eleito presidente da associação, na primeira eleição da carreira política de sucesso. Numa disputa contra Miguel Jacob Ibrahim, Alencar obteve 180 votos ante 129 do adversário. Na cidade, onde residiu por oito anos, ele se filiou ao então MDB e se elegeu senador, mantendo seu domicílio eleitoral lá até as eleições diretas para presidente. E o carinho pela cidade ficou marcado para sempre, com intervenções políticas em favor da região e iniciativas simbólicas, como o registro do nascimento dos filhos Josué e Patrícia e também da primeira neta em cartórios do município, mesmo já tendo mudado para Belo Horizonte.

Depois de o irmão falecer de câncer, no fim da década de 1950, aos 28 anos, Alencar se mudou para Ubá e assumiu a direção da União dos Cometas, à época o maior atacadista de tecidos da região. Pouco depois, no início dos anos 1970, inaugurou a segunda filial da loja de roupas Wembley – a primeira foi construída em BH – e também a fábrica de confecção, que, em pouco tempo, se tornou a maior do país, produzindo 60 camisas por minuto. “Inicialmente, a empresa se chamaria Wimbledon, em homenagem à tenista Maria Ester Bueno, pentacampeã do torneio inglês. Mas, depois de assistir aos jogos da Copa da Inglaterra, decidiu por escolher o mesmo nome do imponente estádio”, conta Antonio Luciano da Costa, amigo de Alencar e atual sócio das lojas de roupa.

Mas a relação entre os dois extrapolava a linha profissional. Depois de trabalhar diretamente com o empresário por três décadas, se estabeleceu uma relação de amizade. Luciano começou na rede Wembley como office-boy, passando ainda pelos cargos de vendedor, escrituário, gerente e diretor, até comprar, em 1997, as empresas numa parceria com outros funcionários. “Ele gostava de um bom papo”, se lembra o amigo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade