Publicidade

Estado de Minas ENERGIA E EMPREGO VERDE

Investimento em energia solar traz benefícios que vão além do meio ambiente

Qualificação profissional e benefícios sociais fazem parte da carteira de vantagens da energia limpa


postado em 10/08/2012 18:23 / atualizado em 13/08/2012 16:05

(foto: Rodrigo Craveiro/CB/D.A Press)
(foto: Rodrigo Craveiro/CB/D.A Press)
Um restaurante popular que funciona 24 horas - considerando o início da preparação dos alimentos até o atendimento ao público -, conta com 80 funcionários – entre nutricionistas, técnicos de nutrição, cozinheiros, auxiliares de cozinha, faxineiros e auxiliares administrativos - e serve três mil refeições por dia. No almoço, de 11h às 14h, o preço é de R$2; no jantar, de 17h30 às 19h30, apenas R$1. Em dois anos, foram servidas mais de um milhão e 600 mil refeições.

Mas o que isso tem a ver com energia? E energia limpa, ainda por cima? São as 234 placas de aquecimento solar, instaladas no Restaurante Popular do Barreiro, inaugurado em 2010, e que são responsáveis por toda a energia utilizada na unidade. Até a água utilizada no banho dos funcionários é aquecida pelo sistema solar, contribuindo para economizar energia, reduzir custos e, é lógico, poupar o meio ambiente.

Além de reduzir os custos mensais de iniciativas sociais como essa, a instalação de sistemas solares de energia oferece oportunidades de qualificação profissional. Segundo a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava), o Brasil tem, hoje, 7,3 milhões de metros quadrados de área acumulada de aquecedores solares instalados, o equivalente a 912 campos de futebol. É o sétimo parque solar do mundo (as primeiras posições são ocupadas por China, Estados Unidos e Alemanha), o que configura um potencial inexplorado. 

Restaurante Popular do Barreiro: unidade é abastecida por 234 placas coletoras de energia solar(foto: Isabel Baldoni/Divulgacao/PBH )
Restaurante Popular do Barreiro: unidade é abastecida por 234 placas coletoras de energia solar (foto: Isabel Baldoni/Divulgacao/PBH )

Novos negócios
O Instituto Politécnico do Centro Universitário Una, de Belo Horizonte, coordena, desde 2011, a Rede Nacional de Capacitação em Aquecimento Solar – Rede Eletrobras Procel Solar, mantida pela Eletrobras. A Rede oferece capacitação profissional em universidades e escolas técnicas, além de apoiar o Programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal. O grupo vai selecionar quatro conjuntos habitacionais do país para monitorar e acompanhar o uso de energia pelas famílias inscritas no Programa federal.

A Rede reúne, além da Una, a Fundação de Apoio à Escola Técnica - Faetec/RJ, o Instituto Federal da Bahia, Instituto Federal de Santa Catarina, Universidade Federal do Pará, Centro Estadual de Educação Tecnológico Paula Souza- CEETEPS, de São Paulo e a Universidade de Brasília- UNB. Com investimento total de R$3,9 milhões, o convênio contempla a formação de Centros de Capacitação em Energia Solar Térmica e a realização de medição e verificação (M&V) de sistemas de aquecimento solar para o Minha Casa Minha Vida.

Pelo Centro Universitário Una participam cinco professores e sete universitários dos cursos de Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Química e Engenharia de Controle de Automação.

O primeiro curso, que abordou o aquecimento solar para água no setor residencial, aconteceu em setembro de 2011, no Rio de Janeiro, para engenheiros da própria Eletrobras e professores da Faetec/RJ. Em dezembro, foi a vez dos estudantes do Instituto Federal de Santa Catarina. Neste ano, já foi realizado um curso para professores do Instituto Federal Sertão Pernambucano e da Universidade do Estado de Pernambuco. Em setembro, será a vez da turma de São Paulo.

A Faetec/RJ começará os cursos de instaladores solares também agora em setembro e, até 2014, dois mil novos instaladores serão treinados em todo o país. A capacitação é oferecida em diversos níveis, contemplando engenheiros, arquitetos e estudantes. “A Rede trabalha para desenvolver novas habilidades e capacitar pessoas, motivando-as a ampliar sua área de atuação com a criação de novos negócios e oportunidades”, explica a coordenadora do Projeto, professora Elizabeth Marques Duarte Pereira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade