Publicidade

Estado de Minas

Crônica O Circo: falta de público


postado em 25/04/2013 12:56

A lona imaginária deixa de apresentar seus últimos espetáculos da temporada por absoluta falta de público. Entende-se por público repórteres, cinegrafistas, carregadores de fios, produtores e produtoras e afins. Bom era quando havia mais jornalistas do que gente. O povo venceu.

Não porque marchou e cantou que, unido, jamais será vencido, mas pelo excesso de ausência de jornalista. A tentativa de fazer graça está restrita a esporádicos comentários na arena principal, como fez ontem o delegado Edson Moreira, durante seu bate-boca cenográfico em pleno salão do júri com o advogado Ércio Quaresma. Diante da pergunta se investigou a fundo todos os possíveis suspeitos da execução de Eliza, responde: “Fomos atrás de todos. Inclusive de um segurança do Bruno que mais parece um guarda-roupa, e de porta aberta”.

O apresentador, em respeitosa reverência, agradece a atenção de todos nas 12 funções da lona imaginária. Uma pena, porque alguns personagens vão deixar saudade. Sargento Salim, João Franklin (corpo de homem, coração de mulher), o Twiteiro, o supostamente crucificado, as produtoras parrudinhas (que deixam a todos um abraço não muito apertado), o Pastinha. Aliás, Pastinha anunciou ontem que em julho conseguirá da Justiça autorização para Bruno trabalhar fora da prisão. Se possível, como goleiro. Informa que o Boa Esporte mantém interesse. Se assim for, quem sabe a lona imaginária não volte a ser armada numa eletrizante partida da Séria B do Campeonato Brasileiro? Quem sabe? Fui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade