Publicidade

Estado de Minas

OAB ainda não recebeu carta escrita por Bruno da cadeia


postado em 18/08/2010 17:49 / atualizado em 18/08/2010 18:08

Clique na imagem para ampliar
Clique na imagem para ampliar

O advogado Ércio Quaresma, que defende o goleiro Bruno e outros envolvidos no desparecimento de Eliza Samudio, anunciou na tarde desta quarta-feira que vai entregar a carta supostamente escrita pelo goleiro à Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB-MG). Pelo Twitter Quaresma afirmou “A carta redigida pelo Bruno sobre a conduta do Arteiro está sendo entregue nesta tarde ao Presidente da OAB/MG Dr. Luis Cláudio Chaves.”

Na terça-feira o advogado divulgou uma carta, supostamente escrita pelo atleta dentro da Penitenciária Nelson Hungria, em que o preso relata uma tentativa de aliciamento por parte do advogado criminalista José Arteiro Lima. O jogador conta que Arteiro esteve no presídio oferecendo serviços para Bruno e pedindo para o acusado revelar detalhes sobre o caso. O conteúdo do ofício ainda cita ofensas a Quaresma. As acusações teriam sido proferidas por Arteiro.

O Presidente da Comissão de Ética e Disciplina da Ordem OAB-MG, Ronaldo Armond, afirmou nesta tarde que não recebeu o documento e só teve conhecimento do fato por meio da imprensa. Armond disse que se o documento for protocolizado na OAB ele possivelmente receberá o ofício na sexta-feira, quando faz os despachos na instituição.

Ainda de acordo com Armond, a OAB tem competência para processar e julgar os advogados e estagiários que infringirem o código de ética e disciplina da organização. Qualquer documento relacionado a conduta de advogados passa pelas mãos do Presidente da Comissão de Ética.

Se Armond receber o documento vai tomar as providências que a lei determina. Caso seja confirmada infração ética ou disciplinar por parte de algum membro, o acusado pode sofrer processo administrativo. As punições podem ser censura ao advogado, suspensão do direito de exercício profissional (de 30 dias a 1 ano) e, em último caso, exclusão da OAB, que implica na impossibilidade de exercer a profissão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade