Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Dois shows em BH comemoram os 50 anos de carreira de Toninho Horta

Sócio-fundador do Clube da Esquina, guitarrista será homenageado no Festival Cold Hot, no sábado (6), e no projeto Tambor na Praça, no domingo (7)


postado em 05/07/2019 04:07

(foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press)
(foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press)
Considerado um dos maiores guitarristas do mundo, Toninho Horta, que completa 50 anos de carreira, recebe duas homenagens. A primeira será no Festival Cold Hot, em frente à sede da Filarmônica, quando ele aproveita para lançar os discos Belo e Horizonte. A outra ocorrerá no projeto Tambor na praça, comandado por Maurício Tizumba.

O Cold Hot, que terá o guitarrista ao lado da Orquestra Fantasma, programou shows de jazz e blues de vários artistas, exposição fotográfica e evento de gastronomia. Sérgio Poroger vai expor 20 fotos sobre os bastidores das salas de cinema no Brasil e no mundo.

O projeto de Toninho inclui livro-encarte com 120 páginas, que conta a história dele, do Clube da Esquina e do cenário musical de BH. Pensado há 10 anos, ele foi iniciado há três, conta o guitarrista. “Belo e Horizonte é um álbum duplo. Queríamos fazer a retrospectiva das músicas importantes da minha carreira, mas também colocar alguma coisa nova da Orquestra Fantasma”, explica.

“Belo tem participação de João Bosco, Joyce e da violonista Lisa Ono. É mais cantado, só tem músicas conhecidas. Já Horizonte é como se fosse o futuro, o que estamos fazendo agora, com faixas inéditas dos compositores do grupo – Yuri, André e eu.”

Além de Toninho, a Orquestra Fantasma, criada em 1981, reúne Lena Horta (flauta), Yuri Popoff (baixo), André Dequech (teclados) e Neném (bateria). O grupo vai receber os convidados Armando Marçal (percussão), Joab de Freitas (trombone) e Diego Garbin (trompete).

Toninho está feliz em tocar com a orquestra completa. “É muito raro poder juntar os cinco integrantes”, diz. “Horizonte é um disco todo instrumental, com faixas inéditas. Chamei o violinista austríaco Rudi Berger, o gaitista norte-americano William Galison, o baterista Robertinho Silva e o saxofonista e flautista Nivaldo Ornelas. Ainda tem as participações de Juarez Moreira, Teuler Andrade, Tadeu Franco, Carla Villar e do Coral Mater Ecclesiae, de Santa Luzia.”

Domingo (7), Maurício Tizumba receberá Toninho Horta na Praça Floriano Peixoto. “Será algo meio inusitado. Vou ter um encontro com os meninos dos tambores. O grupo de percussão do Tizumba tem umas levadas que têm a ver com congado, folia de reis. Vou tocar em cima, ajustando, criando e improvisando em algumas músicas minhas”, revela Toninho.

COLD HOT
Praça de Eventos da Filarmônica. Rua Tenente Brito Melo, 1.090, Barro Preto. Sábado (6): Black Josie (12h), Shelo Lobo & Blues Band (13h30), Happy Feet Jazz Band (15h), Toninho Horta e Orquestra Fantasma (17h) e Audergang (19h). Domingo (7): Nezt (12h), Thunder Blues (13h), Eneias Xavier Trio e Chico Amaral (15h), Minas Soul Blues Company (16h30) e Berimbrown (18h30). Entrada franca. Retirada de ingressos em www.eventosgofree.com.

TAMBOR NA PRAÇA
Praça Floriano Peixoto, Santa Efigênia. Domingo (7), às 16h. Com Toninho Horta, Mauricio Tizumba, Tambor Mineiro e Bloco Saúde. Entrada franca.


Publicidade