Publicidade

Estado de Minas LITERATURA

Antonio Fagundes escreve o 'Waze dos livros'

Leitor ávido, ator lança livro para ajudar o iniciante nesse hábito a ''não se sentir perdido quando entrar numa livraria''


17/01/2021 06:00 - atualizado 17/01/2021 10:19

Antonio Fagundes no papel do livreiro Alberto, da novela global Bom sucesso, que deu origem a um podcast com dicas de leitura(foto: Victor Pollack/Divulgação)
Antonio Fagundes no papel do livreiro Alberto, da novela global Bom sucesso, que deu origem a um podcast com dicas de leitura (foto: Victor Pollack/Divulgação)

Em 2019, a paixão do ator Antonio Fagundes pela literatura se tornou pública, graças ao personagem Alberto, da novela Bom sucesso. No folhetim, o editor de livros falava naturalmente na tevê aberta sobre o ambiente literário. Um presente para o artista, que iniciou o hábito da leitura aos 6 anos, quando teve uma anemia profunda, que o obrigou a ficar em repouso absoluto. Na época, sua companhia foram os gibis. Com o tempo, outras histórias passaram a fazer parte da rotina do carioca de 71 anos, que está sempre acompanhado de um livro.

O sucesso do personagem fez com que a emissora convidasse o ator a fazer um podcast, o Clube do Livro. Em 21 episódios, a atração apresentava os comentários de Fagundos sobre obras literárias. A cada capítulo, o ator abordava um gênero. O projeto inspirou uma versão para além do digital: Tem um livro aqui que você vai gostar, escrito por Fagundes e publicado pela editora Sextante.

Seu objetivo com esse volume é inspirar novos leitores, a partir de dicas para se iniciar na leitura, com obras de diferentes gêneros e autores. “Não tem uma direção, não tem um cânone. Não é como Os 500 livros que você precisa ler antes de morrer. Não existe isso. Ao contrário, insisto em que livro bom para você é o que lhe agrada”, afirma Fagundes.

Dividido em capítulos, o livro traz indicações de literatura brasileira e internacional, passando pelos gêneros de mistério, suspense, thriller, romance, distopia, terror, ficção científica, poesia, best-seller, ciência, feminismo e até autoajuda. 

“As pessoas sempre me perguntavam o que eu recomendava. A coisa mais difícil do mundo é recomendar algo. Você tem que conhecer o gosto da pessoa. O tipo de interesse que ela tem. Acabou que fiz um livro não de indicações, mas de primeiros passos para quem está querendo começar a ler (com frequência) e não se sentir perdido quando entrar numa livraria”, comenta.

ADAPTAÇÕES

Também há espaço na obra para perfil dos autores citados, além de relatos pessoais do autor. Ele menciona, por exemplo, produções em que trabalhou que foram adaptadas de livros, tais como Se eu fechar os olhos agora (Edney Silvestre), Gabriela (Jorge Amado) e Dois irmãos (Milton Hatoum). 

“Fiz muita coisa tirada da literatura, não só na televisão, como no teatro. E percebi que as pessoas que não gostavam de ler, que tinham uma certa ansiedade antes de encarar o livro começavam a curtir mais quando já conheciam a história (contada) em uma peça, um filme, uma série. Isso faz com que elas se aproximem mais tranquilamente da literatura”, diz.

O sempre galã de novelas gosta de ler de tudo. “Gosto de literatura. Claro que costumo brincar sempre que o gênero que eu prefiro é o bom. Você tem literatura boa e ruim em qualquer estilo.”
 
Já quando a questão é livro físico versus digital, a escolha é fácil para Fagundes, que prefere ler à moda antiga. “Até porque, quando você lê o livro digital, se confunde um pouco com o veículo. Quando usa o smartphone ou tablet, você exige rapidez. Quando pega um e-book, seu cérebro exige a mesma velocidade, e a leitura não é rápida. É uma aproximação de profundidade, de foco. Ao contrário do que esses aparelhos propõem”, observa.

Por muito tempo, o ator conhecido por papéis em O rei do gado e Vale tudo foi avesso ao mundo digital. Não tinha rede social. Não gostava de estar no celular e no computador. Isso mudou. “Mudou até a página 20 (risos). Mudou no sentido de que a gente tem que reconhecer que essa tecnologia veio para ficar. Não tenho dúvida de que, se você não tem um pouquinho de conhecimento desse universo, fica totalmente isolado. Fico no máximo uma hora por dia. Não passa disso. Na sexta-feira, coloco meu celular na gaveta e só tiro na segunda de manhã”, conta. 

Nessa uma hora que gasta no smartphone, Fagundes aproveita para compartilhar leituras. Semanalmente, ele aparece em vídeo no Instagram lendo uma poesia para o público. Esse tempo cronometrado em relação à tecnologia permite ao ator ter muitas horas livres.

Em 2020, com a quarentena, ele transformou ainda mais o modo de usar o tempo. Fez comerciais, escreveu o livro e gravou a versão audiobook de Sapiens — Uma breve história da humanidade, de Yuval Harari, para a Companhia das Letras. 

“Isso tudo me deu muito trabalho. Também fiz muitas lives. Naturalmente, li mais do que costumo ler, porque tive mais tempo para isso. Fui atrás de livros que eu tinha comprado há muito tempo e ainda não tinha lido”, conta.

GLOBO

Uma das surpresas para o público de TV no ano passado foi a notícia de que Antonio Fagundes não teve seu contrato renovado com a Rede Globo, rompendo um vínculo de mais de 40 anos. Apesar disso, ele não deve ficar muito tempo afastado da televisão. 

O ator deve integrar o elenco do remake de Pantanal, projeto da emissora carioca. 

“Realmente, estou cotado para fazer um personagem. Estamos em volta da indefinição do começo da data de gravação. Mas não acertei nada com a Globo. Estou cotado pelo autor e diretor da novela.”

O ano passado também foi de indefinição para o espetáculo Baixa terapia — Uma comédia no divã, com o qual Fagundes estava em cartaz havia três anos. A montagem, que passou por Belo Horizonte em 2018, é uma comédia que acompanha a história de três casais que se encontram inesperadamente em um consultório de terapia, sem a presença da psicóloga. 

“Viajamos por 27 cidades no Brasil, o que é muito pouco. Temos muito ainda a fazer em termos de viagem. Fomos para o exterior, nos Estados Unidos, e, em Portugal, fizemos uma longa temporada de três meses. Mas nunca fizemos no Rio de Janeiro. Estava com estreia marcada para maio (de 2020). Quando veio a pandemia, fomos obrigados a suspender”, lembra.

A ideia é voltar com a peça quando a crise sanitária estiver sob controle no país. “Assim que a vacina sair e a gente perceber que será seguro aglomerar, voltamos com Baixa terapia”, afirma. Até aqui, o espetáculo foi visto por mais de 300 mil pessoas.

(foto: Sextante/Divulgação)
(foto: Sextante/Divulgação)

Tem um livro aqui que você vai gostar
• Antonio Fagundes
• Sextante (240 págs.)
• R$ 49,90

Cinco indicações de leitura de Antonio Fagundes

• O alienista, de Machado de Assis

• Dália negra, de James Ellroy 

• Eu estou vivo e vocês estão mortos, de Emmanuel Carrère 

• Mulheres empilhadas, de Patrícia Melo

• Vaca de nariz sutil, de Campos de Carvalho


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade