Publicidade

Estado de Minas POLIVALENTE

Filha de Uma Thurman e Ethan Hawke estreia como cantora e compositora

Maya Hawke, que também é atriz e está no elenco de %u2018Stranger things%u2019 como Robin, lança o álbum %u2018Blush%u2019, de levada folk 


02/09/2020 04:00

Maya Hawke, que atua em Stranger things, diz sentir que a música é uma expressão mais particularmente sua do que a atuação(foto: MARK RALSTON/AFP)
Maya Hawke, que atua em Stranger things, diz sentir que a música é uma expressão mais particularmente sua do que a atuação (foto: MARK RALSTON/AFP)


Dizer que Maya Hawke nasceu predestinada a trilhar uma carreira no mundo das artes não parece exagero. A atriz e modelo é filha dos atores Uma Thurman e Ethan Hawke – os dois se conheceram no set do filme Gattaca (1997), de Andrew Niccol, e foram casados entre 1998 e 2005.
 
A linhagem artística da qual ela descende não para por aí. Por parte de pai, Maya é trineta do dramaturgo norte-americano Tennessee Williams (1911-1983). A família materna, por sua vez, conta vários exemplos de mulheres que trabalharam como modelo, incluindo Uma, a avó, Nena von Schlebrügge, e a bisavó, Birgit Holmquist (1911-1973). 
 
Nascida em Nova York, em 1998, ela deu os primeiros passos profissionais como modelo posando para a revista Vogue e atuando num comercial da Calvin Klein dirigido por Sofia Coppola. Mais tarde, percebeu que queria seguir o caminho na atuação.

papel Por pouco não conseguiu o papel de Pequena Sereia numa adaptação live-action da animação, projeto da Universal que acabou na gaveta. Sua estreia cinematográfica foi em 2017, numa versão televisiva de Little woman, clássico literário de Louisa May Alcott (1832-1888), para a BBC. 
Na produção, ela interpretou a protagonista Jo March, papel de Saoirse Ronan em Adoráveis mulheres, a recente versão cinematográfica dirigida por Greta Gerwig. 
 
    O papel que deu a Maya reconhecimento internacional, no entanto, foi o da garota Robin, de Stranger things, da Netflix. A personagem, que contracena com Steve (Joe Keery) na terceira temporada da série, caiu nas graças do público e irá voltar na próxima temporada, cujas gravações foram suspensas por conta da pandemia.
 
No ano passado, dando sequência na carreira de atriz, ela integrou o elenco de Era uma vez em... Hollywood, filme mais recente de Quentin Tarantino.
 
Mas em 2019 ela decidiu investir também em seu talento musical e lançou dois singles, To love a boy e Stay open, em agosto. Além de cantar, ela assinou também a autoria das canções, embaladas numa abordagem minimalista e suave do pop, com referências ao folk e ao jazz. 
 
“A atuação sempre esteve ligada à minha família, o que tem as suas vantagens e as suas desvantagens. Sempre senti que a música era mais minha. Comecei a tocar guitarra e a cantar quando era pequena, como se fosse um método para me comunicar. Fiz uma apresentação quando tinha apenas 12 anos, em que simplesmente pedi autorização aos meus pais para convidar todos os meus amigos e os pais deles para ouvirem as canções que eu tinha escrito”, disse à Wonderland Magazine. 
 
“Eu estava bastante segura de que não queria ser atriz profissional. Mas adorava (atuar), participava de todas as peças da escola. Mas não queria ter a pressão de ser uma mulher na indústria e a forma como isso se reflete na sua aparência ou idade.”
 
No início deste ano, antes de a pandemia do novo coronavírus confinar as pessoas em casa, Maya Hawke fez suas primeiras apresentações ao vivo como cantora. Mas foi em março passado, com o lançamento do single Be myself, que ela anunciou seu disco de estreia, Blush (Mom+Pop), lançado no último dia 21. O álbum estava originalmente programado para 19 de junho. Com a onda de protestos do movimento Black Lives Matter nos EUA, a data foi postergada.
 
Com 12 faixas coescritas com o premiado compositor Jessie Harris, o trabalho faz grande referência ao folk norte-americano, com arranjos simples, letras confessionais e vocais lineares. Moderno e bem-arranjado, o disco inspira nostalgia e passeia por caminhos curiosos para uma artista de apenas 22 anos.
 
Em abril, numa entrevista para o canal Bustle, Maya Hawke revelou algumas de suas influências musicais, que incluem artistas pop atuais, como Billie Eilish e Ariana Grande, bem como astros do hip-hop do início dos anos 2000, como Akon e Ray J. Além disso, ela reserva um espaço especial para nomes canônicos do folk e do country norte-americano, como Joni Mitchell, Dobie Gray (1940-2011) e Judee Sill (1944-1979). O resultado dessas influências transparece num disco que respeita o passado e acena para o futuro. 
 
O próximo projeto de Maya é o segundo filme de Gia Coppola (neta de Francis Ford Coppola), a comédia dramática Mainstream, na qual a atriz e cantora irá interpretar uma jovem mulher à procura da sua identidade, atuando ao lado de Andrew Garfield (Até o último homem). Além disso, ela pretende cair na estrada com o disco e explorar, enfim, novas formas de interpretar – se possível, no teatro.  
 
BLUSH
Maya Hawke
Mom Pop
Disponível nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade