Publicidade

Estado de Minas

Sem poder trabalhar fora de casa, Paulo Vieira prepara longa-metragem

Ator decidiu se concentrar na elaboração do roteiro de um filme a partir da série 'Isso é muito minha vida'. Cinema era um sonho antigo


postado em 26/04/2020 04:00

"Sempre que alguma coisa dá certo em minha vida, que eu consigo aprovar uma série, um show, rezo: Deus vai me dando que vou dividindo. Tenho noção muito grande da responsabilidade de você estar em algum lugar. Tenho muitos amigos precisando trabalhar, tenho noção do tanto de gente que tenho que puxar."

Paulo Vieira, ator

Os projetos do ator Paulo Vieira também estão entre as vítimas do coronavírus. A temporada do stand up Juntei tudo para te contar, prevista para o mês passado, em São Paulo, foi cancelada. As gravações da segunda temporada da série Isso é muito minha vida foram adiadas para o segundo semestre, e a produção do Zorra, humorístico global cujo elenco ele integra, foi paralisada.

O Fora de hora, outro programa da emissora carioca que tem Paulo Vieira como um dos apresentadores do telejornal fictício, saiu do ar antes mesmo de completar sua elogiada primeira temporada. "Foi triste, mas era o melhor para a segurança de todo mundo", diz ele, que já havia se afastado das gravações do programa, por razões de saúde, antes mesmo que as medidas de isolamento social para o combate à epidemia fossem adotadas.

Mas não é porque o mundo praticamente parou que o ator estacionou. Ao contrário. Em casa, no Rio de Janeiro, ele escreve o roteiro de um longa-metragem baseado na série Isso é muito minha vida e cria áudios para o Diário do coronga, que viralizam em aplicativos como WhatsApp e Tik Tok.

Ele dá as boas vindas a essa audiência, embora afirme não estar em busca da fama na internet. "Não é meu estilo, mas essa repercussão me deixa extremamente feliz, porque me anima a trabalhar mais. Fazemos as coisas para ser vistas. Bob Dylan diz que a melhor coisa que você pode fazer para o ser humano é inspirá-lo. A melhor coisa que podem fazer por mim é me inspirar a trabalhar mais."

Debruçado em projetos na quarentena, Paulo Vieira acredita que, quando tudo isso passar, ele não terá que começar do zero. "Esse tempo dentro de casa é muito bom para analisarmos o que realmente queremos fazer. Como sempre quis fazer um filme, então disse para mim mesmo: Ah, tá bom! Senta e faça".

DISCIPLINA 
Ele admite que ter disciplina para trabalhar dentro de casa requer muito esforço. Algumas vezes, segundo conta, precisou resistir à tentação, "sempre forte", de ver um filme na televisão ou ficar quieto no sofá, ao lado da namorada. "Agora conseguimos nos organizar. Quando acordamos, vamos cuidar das nossas vidas. Ela faz os cursos on-line, e eu me sento diante do computador." O ator diz que já tem escritas 60 páginas do roteiro do filme - em geral, cada página de roteiro corresponde a dois minutos de um filme.

Paulo Vieira nasceu em Trindade, interior de Goiás, mudou-se ainda menino com o pai, Luiz Antônio; a mãe, Conceição Vieira; e irmão, Neto, para Palmas, capital do Tocantins, e, desde então, considera-se tocantinense. Contudo, as raízes da família se dividem entre Uberaba, Poços de Caldas, Patos de Minas, Bahia e Goiás. "Existe uma cultura do interior do Brasil forte no meu dia a dia e muito presente nos meus trabalhos." A paixão pelo Tocantins não é o único motivo pelo qual ele mantém o celular com o DDD 63. Se ele ousar trocar o número, tem certeza de que a família vai achar que ficou esnobe.

"Você viu o Paulo? Mudou para 21 (DDD do Rio de Janeiro). Ficou metido", brinca. "E, se eu mudar para 11 (DDD de São Paulo), nunca mais vou conseguir falar com ela, porque a família vai achar que é ligação de cobrança."A família, aliás, sempre foi sua prioridade e, por isso, Paulo nunca se esquivou de trabalho. Criança, acordava antes das 5h para ajudar o pai e a mãe a preparar os salgados vendidos pela família de porta em porta. De bicicleta, seguia de sua casa até uma escola, seu ponto de venda. Como tinha boa clientela, coxinhas, enrolados de presunto e queijos, especialidade dos pais, eram disputados e acabavam logo. Rapidinho, voltava para casa, em tempo de tomar banho, almoçar e seguir para a escola para assistir as aulas.

Adolescente, depois de se formar em teatro, ele também não abriu mão de continuar ajudando a família e, ao mesmo tempo, tentar conquistar seu lugar ao sol. Em Tocantins, encenou dramas e comédias, mas foi durante uma temporada do espetáculo Comédia em pé, que, a convite de Fábio Porchat, integrante do Porta dos Fundos, Paulo fez uma participação de três minutos no humorístico alheio.

"Foi um marco em minha careira. O stand up abriu meus caminhos. Brinco que stand up é o teatro do oprimido em essência. É o autor e seu texto." O ator perdeu as contas do número de vezes em que fez o trajeto de Palmas a São Paulo para apresentações em bares e concursos, como o Prêmio Multishow de Humor, O Grande Premio de Humor Brasileiro e o Grande Prêmio Risadaria de Humor Brasileiro.

"Às vezes, eu voltava a Palmas, assistia a algumas aulas do curso de comunicação e retornava a São Paulo. Nesse vai e vem, nunca desisti, porque tinha um combinado comigo: se eu morrer tentando, eu não vou saber que não deu certo. Então vou tentar até o fim. E ainda tento. Todo dia, quando acordo, tenho que provar por que estou fazendo aquilo".

REENCONTRO 
O destino promoveu seu reencontro com Porchat, que o levou para seu programa na Record. Lá, Paulo criou o quadro "Emergente como a gente", que serviu de inspiração para o Isso é muito minha vida, atração do Se Joga (Globo). Dali, a popularidade não parou de crescer. "Sou muito grato a ele (Fabio Porchat) por me dar um chão firme para pisar. Não só financeiramente, mas também pela carreira. Daquele momento em diante, eu teria um portfolio que me permitiria caminhar seguramente."

Paulo reconhece a necessidade de apoiar quem está no início de carreira. "Sempre que alguma coisa dá certo em minha vida, que eu consigo aprovar uma série, um show, rezo: Deus vai me dando que vou dividindo. Tenho noção muito grande da responsabilidade de você estar em algum lugar. Tenho muitos amigos precisando trabalhar, tenho noção do tanto de gente que tenho que puxar." Arianna Nutt, Anne Freitas, Igor Guimarães, Rafa Guimarães e Paulo Manduca, por exemplo, estão com ele em Isso é muito minha vida.

Para a criação das histórias da série, seu maior sucesso até agora, o ator diz beber de várias fontes, mas sua família é a grande inspiração. A mãe (personagem cujo nome só será conhecido no longa-metragem) é a cópia fiel da própria mãe; a filha, menina birrenta, foi inspirada no irmão, que não perdia a oportunidade de dar um chilique. "A relação da sogra com a mãe é muito a relação da minha mãe e minha avó, no início", conta.

O ator acredita que, quanto mais se fala do que é pessoal, mais interessante fica o papo fica. "Parasita (longa sul-coreano vencedor do Oscar de melhor filme neste ano) é um filme que fala de ser humano, das relações humanas e por isso nos identificamos, mesmo sendo uma produção do outro lado do mundo", comenta.

Crítico, ele lamenta o olhar condescendente que as pessoas, especialmente as que fazem televisão no Brasil e as que trabalham na mídia costumam dirigir às camadas pobres da população. "Como se cada pobre fosse o não ganhador da Mega Sena, enquanto, na verdade, o pobre quer o mínimo, que é saúde e educação. Quando alguém da elite olha para uma casa pobre, nunca imagina que lá dentro tem uma família rindo. E tem", afirma.

"Através da minha família, quero as pessoas olhando para a vida do pobre de maneira generosa. Passamos muito tempo achando que quem gosta de pobreza é intelectual. Passamos muito tempo achando que o pobre queria ver gente rica na tela, falando de seus problemas. A gente até quer ver isso, mas as pessoas querem se ver na tela. Essa questão da representatividade está contando muito", diz.

Sobre o futuro das centenas de milhares de pessoas privadas de seu sustento no Brasil por causa da quarentena, ele diz: "O aprendizado que vamos tirar disso é a necessidade de eleger governantes alinhados com a pauta do povo. Eleger alguém que, em uma hora dessas, prefira o povo ao lucro. Que na hora de escolher entre o empresariado e o povo, escolha o povo. O povo brasileiro, quando convocado, mostra sua força, mas há situações que não estão em nossa alçada, e o governo precisa aparecer. Ele não pode agir como se não tivesse responsabilidade. Pagamos os impostos para isso. O governo não pode faltar agora".





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade