Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

A vingança do sagrado na política

As pessoas aceitam pagar o preço da vulgaridade de seus líderes, porque eles lhe acenam com um limite para as transgressões que ameaçam seu chão. E, no fundo, eles têm sua razão


postado em 23/12/2019 04:00 / atualizado em 23/12/2019 07:29

Apesar dos progressos materiais, o homem continua sendo uma criatura frágil, diante da sociedade e diante do cosmos (foto: Natgeo/divulgação )
Apesar dos progressos materiais, o homem continua sendo uma criatura frágil, diante da sociedade e diante do cosmos (foto: Natgeo/divulgação )

A análise política para ter algum valor precisa se ater ao que as coisas são e não ao que deveriam ser, segundo o nosso juízo ou nossos valores. Para compreendermos o que se passa é preciso resistir à tentação de tomar partido.

Os Estados Unidos e a Inglaterra são nações dominantes no Ocidente, não apenas pelo tamanho de suas economias, mas, principalmente pelo seu alto grau de civilização. O mundo globalizado é a imagem dos valores e das formas culturais que emanam dessas sociedades, cujos centros – Nova York, Los Angeles e Londres – são o ponto mais alto da sofisticação e da modernidade. No entanto, essas sociedades, em eleições livres e democráticas, escolheram governantes, cujos modos, palavras e atos refletem sistematicamente vulgaridade, obscurantismo e desprezo pela cultura e pela inteligência. O mais dramático é que não foram escolhidos por engano, mas por serem exatamente o que são. Por quê?

No Brasil, aconteceu alguma coisa parecida. Em nosso caso, a aversão ao Partido dos Trabalhadores, sua complacência institucional com o saque ao Estado e seus indesculpáveis erros de política econômica, certamente predispuseram os eleitores a aceitar qualquer via alternativa.

'Quanto mais ricas as sociedades, mais o homem se sente injustiçado e desamparado diante de um destino que é sempre maior do que ele'



Mas entre as alternativas possíveis, o fato de a escolha ter recaído num candidato nostálgico do mais terrível momento de nossa história política e expressamente em oposição a tudo que o país desenvolveu em diversidade cultural e tolerância humana, precisa de uma explicação. Não é este o Brasil que conhecíamos.

Um episódio destes dias de Natal acendeu uma luz em minha mente. Tomei conhecimento que um canal americano de "streaming" produziu e está exibindo, ou vai exibir, para celebrar as festas de fim de ano, um filme natalino em que o personagem do Cristo é homossexual e Nossa Senhora aparece fumando algo que pareceria um cigarro de maconha.

Antes que surja algum mal-entendido, acho que a liberdade de expressão deve ser respeitada e que todos são livres para se manifestar. Não precisamos de censura,  pois nenhuma autoridade precisa proteger a minha sensibilidade. Eu, e todos os brasileiros, sabemos fazer isso muito bem e o que nos causa repugnância, evitamos por nós mesmos.

Ser ou não homossexual e fumar ou não fumar, em si mesmas, são situações absolutamente normais. O meu Cristo, por exemplo, só consigo compreendê-lo como uma síntese de toda a condição humana, contendo em si todas as formas que assume a humanidade.

Mas a questão é inteiramente outra, pois o objetivo do filme não é exaltar a pluralidade humana, mas sim chocar e zombar da sensibilidade de quem ainda tem fé e respeita o sagrado, como algo além de nós e que não pode ser transgredido. E chocar não para defender por alto preço uma ideia contra a corrente, como fazia Voltaire em seu tempo, mas para explorar nichos de mercado em busca do lucro sem riscos.

Desde os tempos imemoriais, o homem tem buscado um sentido para a sua vida e uma luz sobre o desconhecido no transcendente e no sagrado. Uma parte do homem moderno acha que já é tempo para a sua completa emancipação.

Apesar dos progressos materiais evidentes, o homem continua sendo uma criatura frágil, diante da sociedade e diante do cosmos. Quanto mais sabemos, mais descobrimos o tamanho do que não sabemos. Quanto mais ricas as sociedades, mais o homem se sente injustiçado e desamparado diante de um destino que é sempre maior do que ele.

Esmagada pela arrogância das elites culturais, a grande maioria das pessoas comuns sente cada vez mais o medo do novo e do desconhecido, temendo, como os astecas nas lindas palavras do poeta Octavio Paz, que lhes roubem a fé e também seus deuses, a última coisa que possuem.

Esse medo, para mim, está na raiz dessa reação política. As pessoas aceitam pagar o preço da vulgaridade desses líderes, porque eles lhe acenam com um limite para as transgressões que ameaçam seu chão. E, no fundo, eles têm sua razão. O fim do sagrado é também o fim de todos os limites. É a promessa de um vazio e de um abandono, grandes demais para o coração dos homens simples!




 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade