Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Bernard Arnault pode não ter feito bom negócio ao comprar a Tiffany

Analistas do setor financeiro acreditam que ele vai demorar a recuperar os US$ 16,5 bilhões que investiu na joalheria americana


postado em 27/11/2019 04:00 / atualizado em 26/11/2019 18:33

O magnata das grifes de luxo do mundo, Bernard Arnault, e sua mulher, a pianista Helene Arnault, entrando no Palácio do Eliseu, em Paris, sede do governo da França(foto: ludovic MARIN/ AFP)
O magnata das grifes de luxo do mundo, Bernard Arnault, e sua mulher, a pianista Helene Arnault, entrando no Palácio do Eliseu, em Paris, sede do governo da França (foto: ludovic MARIN/ AFP)

Louis Vuitton 
Apetite insaciável 

Analistas econômicos mundiais acham que Bernard Arnault, o chefão da Louis Vuitton, não fez um grande negócio ao adquirir a Tiffany, a joalheria de luxo norte-americana, por US$ 16,5 bilhões. Vai custar a recuperar o dinheiro investido. No entanto, parece que Arnault não está nem aí. A Louis Vuitton já é dona da maioria das empresas de luxo do mundo e não custa engolir mais uma. O grupo LVMH é dono da Christian Dior, da Givenchy, da Bulgari, da Kenzo, da Fendi, da Moet & Chandon, da Tag Heuer, da Veuve Clicquot, da Don Perignon, da Rimowa e sabe-se lá o quê mais. Com a aquisição da Tiffany, o grupo quer reforçar sua presença nos Estados Unidos e expandir a Tiffany na China. Daqui a pouco vai querer adquirir alguma grife de luxo no planeta Marte.

Clima
Conferência de Madri 

Representantes de 200 países participarão na próxima semana da Conferência Mundial do Clima, a se realizar em Madri, de 2 a 13 de dezembro. A promoção da ONU completará bodas de prata, 25 anos após o primeiro encontro sobre o aquecimento global, em Bonn, na Alemanha. Até agora, os esforços dos países signatários do Tratado de Paris sobre o clima não fizeram progressos decisivos na questão. O efeito estufa está aumentando, a temperatura e as catástrofes climáticas também. O encontro deste ano deveria ocorrer no Brasil, mas o presidente Bolsonaro recusou-se a sediar a reunião, que foi transferida para Santiago do Chile. No entanto, com os violentos protestos populares na capital chilena, o governo do país teve de cancelar o encontro, que foi transferido para Madri. O Brasil vai participar com péssima imagem da reunião devido ao recorde de desmatamento na Amazônia, recusa do governo em adotar as normas do Tratado de Paris, não cumprimento de medidas ambientais e outros fatores negativos. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, diz que vai pedir dinheiro na reunião para combater o desmatamento na Amazônia, mas não deve levar nada. A conferir...

Flamengo 
Festança ainda não acabou 

Se alguém pouco informado sobre futebol pensa que as comemorações em torno das conquistas feitas este ano pelo Flamengo vão entrar em ritmo moderado até o fim do ano, está muito enganado. A próxima etapa a ser cumprida pela rapaziada flamenguista ocorre em dezembro, quando o time disputará, no Emirado do Catar, o Mundial de Clubes. Faz sua estreia em 17 de dezembro. Se por acaso ganhar o título de campeão mundial de clubes, não vai ter pra mais ninguém. O Rio de Janeiro vai sofrer um terremoto flamenguista, que nem é bom falar. Fora o que vai acontecer na rebarba no resto do país.

Wagner Tiso
No périplo dos 60 anos 

O compositor e pianista mineiro Wagner Tiso, um dos fundadores do Clube da Esquina, continua em sua maratona de concertos pelo país, dentro do roteiro que criou para comemorar seus 60 anos de vida. Sua mais recente façanha foi o concerto que deu no Teatro Municipal de Niterói, onde conseguiu colocar na plateia alguns dos mais conhecidos maestros-pianistas do país. No grupo estavam Arthur Moreira Lima, João Carlos Assis Brasil, Amilton Godoy e o norte-americano Cliff Korman. O nome do show foi Festival do piano solo.

Black Friday 
Cá e lá 

A Black Friday vem aí! Depois de amanhã. Pois bem, a reportagem da CNN transmitida mundialmente sobre a Black Friday de 2019 nos Estados Unidos, onde nasceu essa jornada de grandes descontos nas lojas, sempre na sexta-feira depois do Dia de Ação de Graças, mostrou que cá como lá, más fadas há. A maioria dos norte-americanos entrevistados afirmou que a Black Friday atual já não é como nos bons tempos. Em cada grupo de 20 artigos à venda, só três ou quatro têm grandes descontos. O resto, ou mantém o preço normal ou então tem preços majorados. No final, já se viu... Será que no Brasil vai ser assim também? E vocês, o que acham?

Justiça 
Prescrição de processos 

A divulgação da notícia de que, nos últimos dois anos, cerca de 946 processos que estavam sendo julgados no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça acabaram prescritos por decurso de tempo, término do prazo e coisas assim, pode promover uma outra pesquisa nesse sentido, abrangendo a prescrição de processos em todos os foros e repartições judiciárias do país. Esse levantamento dará um panorama de quantos réus escaparam tranquilamente da punição pelos seus atos criminosos, aumentando mais ainda a impunidade no Brasil. Devem ser milhares.

Intentona Comunista 
Aniversário de 84 anos 

As Forças Armadas brasileiras devem comemorar na data de hoje o aniversário de 84 anos da chamada Intentona Comunista de 1935, movimento que tentou derrubar o governo de Getúlio Vargas, que acabou sendo sufocado facilmente pelas tropas legalistas, embora os confrontos no Rio de Janeiro tenham sido violentos. O golpe comunista serviu mais tarde como um dos motivos para que Getúlio Vargas implantasse no país a ditadura do Estado Novo. O curioso é que, até o governo de Fernando Henrique Cardoso, a vitória das tropas do governo sobre os comunistas eram normalmente comemoradas em 27 de novembro. A partir do governo Lula, caso a coluna não se engane, até o governo de Dilma Rousseff, elas não mais aconteceram. A conferir...

Nemer 
Almanaque insólito 

O conhecido artista plástico José Alberto Nemer, que andava meio posto em sossego, volta a reaparecer, desta vez como literato. Na manhã de 7 de dezembro, sábado, vai reunir amigos e admiradores na Livraria da Rua, na Savassi, promovendo o lançamento do livro Almanaque insólito – Visões inusitadas no cotidiano brasileiro. Os autógrafos terão início às 11h. Sobre o livro de Nemer, o famoso cronista Luiz Fernando Veríssimo fez o seguinte comentário: “Este livro é isto, a obra de uma sensibilidade à espreita de peculiaridades do Brasil profundo, retratadas com espanto, humor e carinho.”

Editora Três 
Brasileiros do Ano 

Os mineiros, de um modo geral, andam em baixa no país. No entanto, Minas sempre tem os seus destaques. Por exemplo, na seleção dos Brasileiros do Ano 2019, feita pela Editora Três (que, entre outras, edita a Isto É), entraram dois mineiros que atuam em áreas diferentes. Um deles é o comandante do Corpo de Bombeiros de Brumadinho, coronel Robespierre de Oliveira. O outro é o engenheiro Rubens Menin, fundador da MRV. Outros integrantes da lista são o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o governador de São Paulo, João Dória, o comediante Jô Soares, a atriz Marina Ruy Barbosa, o procurador da República Deltan Dallagnol, o presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, etc.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade