Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Bolsonaro indicará Mendonça, o terrível, para o Supremo Tribunal Federal

Advogado-geral da União tem se destacado pela defesa ferrenha do presidente da República contra adversários


07/07/2021 04:00

André Mendonça é o ministro
André Mendonça é o ministro "terrivelmente evangélico" prometido por Bolsonaro desde 2020 (foto: MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL - 6/8/20)


O presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem que indicará o atual advogado-geral da União, André Mendonça, para a vaga do ministro Marco Aurélio Mello, que se aposentará no próximo dia 12 de julho, no Supremo Tribunal Federal (STF). Pastor presbiteriano, a indicação de Mendonça, por isso mesmo, efetiva a promessa de Bolsonaro de que indicaria um nome “terrivelmente evangélico” para o cargo. O anúncio de Bolsonaro esvazia as pressões crescentes em favor de outros candidatos à vaga de ministro do Supremo.

Um deles é o ministro do Tribunal Superior de Justiça (STJ) Humberto Martins, candidato apoiado pelo presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL). Nos bastidores do Congresso, comenta-se que Lira teria estimulado o deputado Luiz Miranda (DEM-DF) a fazer a denúncia da compra irregular da Covaxin para pressionar Bolsonaro a aceitar sua indicação e não, apenas, por causa da disputa por verbas do Orçamento da União entre o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), e a secretária de Governo, ministra Flávia Arruda (PL-DF), aliada do presidente da Câmara. A aprovação de Mendonça, porém, não depende dos deputados, mas do Senado, onde será sabatinado, antes de seu nome ser homologado ou não pelos senadores.

Outro preterido na disputa seria o procurador-geral da República, Augusto Aras, que vem mantendo alinhamento absoluto com Bolsonaro em suas disputas com o Supremo Tribunal Federal (STF). O mandato de Aras está no fim e sua liderança na instituição foi muito enfraquecida por causa de sua aliança com o presidente da República. Na escolha da lista tríplice para o cargo de procurador-geral, a subprocuradora Luiza Frischeisen foi eleita a mais votada, com 647 votos. Os subprocuradores Mario Bonsaglia, com 636 votos, e Nicolao Dino, com 587 votos, também fazem oposição ao procurador-geral. Cerca de 70% do colégio de procuradores participaram da votação. Ninguém da lista agrada a Bolsonaro, que deve reconduzir Aras ao cargo, o que reduz o desgaste pela indicação de Mendonça.

Aos 48 anos, André Mendonça faz carreira meteórica. Santista, formado pela Faculdade de Direito de Bauru, no interior de São Paulo, é doutor em Estado de Direito e Governança Global e mestre em Estratégias Anticorrupção e Políticas de Integridade pela Universidade de Salamanca, na Espanha. Na Advocacia-Geral da União (AGU) desde 2000, exerceu os cargos de corregedor-geral e de diretor de Patrimônio e Probidade. Em 2019, com a chegada de Bolsonaro à presidência, assumiu o comando da AGU.

Presbítero

Após a saída do ex-ministro Sergio Moro, Mendonça assumiu a pasta da Justiça e Segurança Pública em abril de 2020. No entanto, voltou para a AGU em abril deste ano, após a mais recente reforma ministerial do governo Bolsonaro, logo depois da crise com o alto escalão das Forças Armadas. Mendonça também é ligado ao ministro Dias Toffoli, que o designou diretor do Departamento de Combate à Corrupção e Defesa do Patrimônio Público quando estava à frente da AGU. Ao lado do ministro Alexandre de Moraes, é coautor do livro “Democracia e Sistema de Justiça”, lançado em outubro de 2019, em homenagem aos 10 anos de Toffoli no Supremo. Entretanto, tem se destacado pelas tentativas de enquadrar opositores do presidente Jair Bolsonaro na antiga Lei de Segurança Nacional, um entulho autoritário em contradição com a Constituição de 1988.

Mendonça também é pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Esperança, localizada em Brasília. Por isso, foi qualificado como "terrivelmente evangélico" pelo presidente Jair Bolsonaro, em solenidade na Câmara dos Deputados, em 2019.  Seu nome é apoiado pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). O presbiterianismo remonta à Reforma Protestante do século 16 e ao reformador João Calvino (1509-1564), que fugiu de Paris e se radicou em Genebra, após a conversão à fé evangélica. Calvino fundou a Academia de Genebra, na qual formou líderes reformadores que adotaram o conceito de absoluta soberania de Deus como criador, preservador e redentor do mundo.

No Brasil, o presbiterianismo está dividido em várias denominações. A mais expressiva é a Igreja Presbiteriana do Brasil, fundada em Pernambuco, em 1862, pelo missionário Ashbel Green Simonton (1833-1867).  Os primeiros calvinistas, porém, chegaram em 1555, com vice-almirante da França, Nicolas Durand de Villegagnon, para fundar a França Antártica. Sua expulsão por paulistas e portugueses, liderados por Estácio de Sá, resultou na fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, cuja cultura, por ironia, é antítese do calvinismo.




*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade