Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Cruzeiro no Z-4, em estado gravíssimo, quase irreversível

A situação da Raposa é semelhante a um paciente em estado grave na UTI. É preciso reagir ou então de um milagre. Amanhã, precisa vencer o CSA e torcer contra Botafogo, Fluminense e Ceará


postado em 27/11/2019 04:00 / atualizado em 26/11/2019 21:06

O goleiro Fábio é um dos poucos que se salvam nesta campanha medíocre do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro(foto: Guilherme Dionizio/Código19/Estadão Conteúdo)
O goleiro Fábio é um dos poucos que se salvam nesta campanha medíocre do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro (foto: Guilherme Dionizio/Código19/Estadão Conteúdo)


O Cruzeiro voltou à zona de rebaixamento a quatro rodadas do fim do Brasileirão com a vitória do Fluminense sobre o já rebaixado CSA. A situação é gravíssima e o time azul, que jamais caiu, assim como Flamengo, Santos e São Paulo, vive uma das mais tristes páginas de sua história. Acredito que contra o CSA, quinta-feira, no Mineirão, vá conseguir um placar expressivo. Não por sua competência, e sim pela fragilidade do adversário. O problema é que agora o time mineiro não depende somente dele, pois não enfrentará mais nenhum concorrente a queda. Ao contrário, depois do CSA, vai pegar Vasco e Grêmio, fora de BH, e, por fim, o Palmeiras, no Mineirão. Pode acontecer de Mano Menezes, um dos responsáveis pela situação do time da Toca da Raposa, rebaixá-lo, caso o Palmeiras vença. Vejam que situação: Mano Menezes, um dos responsáveis pela péssima fase do time estrelado, pois cansou de poupar jogadores no Brasileiro para privilegiar Copa do Brasil e Libertadores, poderá ser o algoz. O futebol tem dessas coisas, quando não há um planejamento decente. Por tudo de ruim que aconteceu no Cruzeiro, este ano, não se poderia imaginar outra coisa. Denúncias de corrupção, lavagem de dinheiro e outras falcatruas, com reportagem no Fantástico, além de contratações equivocadas, deixaram essa marca terrível.

A diretoria resolveu impor a lei da mordaça nos atletas. Eu não faria isso. Essa é a hora de eles assumirem também, pois são responsáveis pela péssima fase. Alguns, ex-jogadores em atividade, ganhando fortunas. Se o clube cair, vão procurar outra equipe em 2020 e vão dar uma banana para o Cruzeiro. Num campeonato com tantas equipes ruins, o Cruzeiro conseguiu ser pior do que elas. Vale lembrar que o dinheiro gasto nos títulos de 2013/14 pelo diretor de futebol Alexandre Mattos inflacionou o clube e o fez até atrasar salários, coisa que poucas vezes aconteceu. A conta chegou, e ela é pesada. Mattos tem sido contestado no Palmeiras. Os torcedores voltaram a pôr faixas chamando-o de “ladrão”, alegando que ele leva dinheiro em negociações com empresários. Ex-jogador do Palmeiras, Valdívia o acusou recentemente. Ele deveria processar Valdívia e a torcida que o acusa.

Na verdade, essa figura do diretor de futebol deveria se limitar a organizar o clube em seus compromissos, viagens e outros afazeres. Deixem os vice-presidentes ou mesmo os presidentes negociarem.  Chega dessa promiscuidade. No passado, os dirigentes negociavam entre eles, não havia comissão para ninguém. Hoje, o dinheiro entra no clube de acordo com o valor da venda. Não há problema nenhum. A suspeição gira em torno da comissão do empresário, que, supostamente, dividiriam com o diretor de futebol, pondo o dinheiro em paraísos fiscais ou entregando em espécie mesmo.  A maioria dos clubes está quebrada e tem diretor de futebol nadando em dinheiro. Alguma coisa errada deve haver.

Voltando ao futebol medíocre do Cruzeiro, ele foi buscar num técnico ultrapassado a solução para não cair. Só porque ele jogou no clube na década de 1970. Bobagem. Abel Braga foi um grande técnico durante um curto período, vencendo com o Internacional, inclusive o Mundial, e um Brasileiro com o Fluminense. Ganhou status de grande técnico, ganhou muito dinheiro, mas não se atualizou. É preciso relevar pelo fato de ter vivido um drama pessoal, que nenhum pai merece sofrer. Acredito que se salvar o Cruzeiro, Abel deveria descansar, estudar na Europa, onde tem mercado aberto, principalmente na França, e voltar com força total. O problema é que se o Cruzeiro cair, vai carregar essa marca. Porém, tantos já caíram e continuaram ganhando fortunas.

A situação do Cruzeiro é grave, e agora, que precisa do torcedor, põe ingresso a preço de banana. Claro que a “China Azul”, como batizou o saudoso Roberto Drumond, vai fazer a sua parte. Deve lotar o estádio e apoiar o time até o fim. Não há outro resultado admissível que não seja a vitória sobre o CSA, torcendo para Fluminense, Botafogo e Ceará fracassarem. Somente assim o Cruzeiro dependerá só de si para continuar na elite. A situação é semelhante à de um paciente em estado grave na UTI. É preciso reagir ou então de um milagre. E para fechar, com 41 pontos o Atlético ainda não está livre da possibilidade de rebaixamento. Estacionou nessa pontuação e agora corre perigo. Precisa ganhar,,pelo menos, um dos quatro jogos restantes. Enfim, o futebol mineiro na Série A, nesta temporada, é uma vergonha só. O sonho de grande campanha no começo do ano virou um grande pesadelo, que parece não ter fim na elite. O caminho para a Segundona está em aberto.

Pesar

Perdi mais um grande companheiro, ontem. José Vanucci, que foi meu cinegrafista na TV Globo, nos deixou. Que seja recebido pelo criador e que a família tenha todo o conforto dos céus. Vá em paz, amigo.


Publicidade