Publicidade

Estado de Minas BOMBA DO JAECI

Caráter ímpar

'Mano é um homem correto e decente'


postado em 10/08/2019 04:00



Após pedir demissão do Cruzeiro, na quarta-feira, o técnico Mano Menezes (foto) abriu mão de qualquer multa ou rescisão de contrato, mostrando seu caráter ímpar. Há treinadores que pedem demissão, mas fazem acordo para receber parte da multa. Mano não. Optou por sair, pois já havia perdido o comando do grupo, recebendo apenas salário, férias e o que é seu de direito. Seu contrato iria até dezembro, mas, muito ético, abriu mão de qualquer tipo de multa. Se não tivesse pedido demissão, Mano teria sido mandado embora. Porém, se antecipou, agradeceu ao clube e disse que não havia mais como recuperar o grupo de jogadores.

Barca
O Cruzeiro deveria aproveitar a saída de Mano e fazer uma barca, com alguns jogadores que não dão o retorno esperado. Fred, Thiago Neves, Egídio, Sassá, Edílson, Ariel Cabral e Henrique são alguns nomes que deveriam mudar de ares. Neves e Fred são ídolos do Fluminense, pois ganharam o Brasileiro lá. Foram excepcionais jogadores, há sete anos. Depois disso, nunca mais produziram bom futebol. Fred chegou a alegar que o esquema de Mano não o favorecia. Com a saída desses jogadores, o clube azul conseguiria reduzir substancialmente a folha, que gira em torno de R$ 20 milhões. O problema é arrumar dinheiro para as rescisões, já que os jogadores não vão abrir mão de um centavo sequer.

Reforço importante
Ao contratar o diretor de comunicação Valdir Barbosa, que tem longa história no clube, o Cruzeiro acertou em cheio. Valdir é dos profissionais mais respeitados no mercado, conhece bem a imprensa nacional e será de grande valia para o clube. Se tivesse chegado antes, talvez o Cruzeiro não estivesse passando por tantas crises, já que tem muito tato com técnicos e jogadores. Ele teria evitado muitos problemas que alguns jogadores criaram em redes sociais e saberia conduzi-los nas entrevistas. Um jogador tem que entender que, quando fala alguma coisa, está representando a instituição Cruzeiro, e as palavras devem ser medidas. Valdir Barbosa é um craque e, tenho certeza, daqui pra frente as manifestações dos jogadores serão mais bem conduzidas.

É isso que vale uma vida?
Uma vida não tem preço, ainda mais de crianças, mortas queimadas, de forma irresponsável, num alojamento que não tinha alvará de funcionamento para receber seres humanos. A diretoria do Flamengo fez acordo com três das 10 famílias dos jogadores que morreram naquela tragédia, oferecendo migalhas. O presidente, Rodolfo Landim (foto), gastou mais de R$ 200 milhões em reforços, com uma folha salarial de R$ 25 milhões mensais, mas se nega a pagar, pelo menos, R$ 5 milhões a cada família como forma de compensação por uma possível vida útil de cada garoto no futebol rubro-negro. É por essas e outras que o Flamengo está fadado a não ganhar nada nesta temporada, mesmo com todos os gastos e contratações. A justiça dos homens é falha, mas a divina não erra. Um cara que não tem compaixão com as famílias e com os garotos mortos não pode e não deve ser feliz.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade