Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Junho Vermelho reforça a urgência de doação de sangue no Hemominas

Com a pandemia, o agendamento prévio é feito pelo www.hemominas.mg.gov.br ou pelo MGapp Cidadão


21/06/2021 04:00 - atualizado 20/06/2021 17:26

ENTREVISTA DE SEGUNDA

Thiago Sindeaux/ Assessor técnico da Fundação Hemominas

Junho Vermelho reforça na população esse gesto que salva vidas e é exercido através da solidariedade
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press )
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press )

Nunca foi tão necessário doar sangue. Há mais de um ano, quando a pandemia provocada pelo coronavírus foi declarada no Brasil, a Fundação Hemominas tem registrado diminuição do comparecimento tanto de candidatos à doação de sangue quanto para o cadastro de medula óssea.

Para reverter a situação, foram fortalecidas estratégias e ações de conscientização e sensibilização dos cidadãos. Foram implementados protocolos de limpeza e desinfecção, assim como adoção de medidas de distanciamento em todas as unidades. Uso de máscaras e aferição da temperatura de todos que entram nas unidades são obrigatórios. Álcool em gel é disponibilizado a todos.

O Hemominas faz um apelo à população que abrace o Junho Vermelho, campanha criada pela OMS em 2015, na qual, durante todo o mês, as unidades da fundação desenvolvem ações para sensibilizar as pessoas a doarem sangue e salvar vidas. "O atendimento é feito apenas por agendamento prévio pelo www.hemominas.mg.gov.br ou pelo MGapp Cidadão para evitar aglomerações", informa Thiago Sindeaux, da Assessoria de Cadastro e Captação de Doadores da Fundação Hemominas.

"A pandemia da COVID-19, diferentemente de outras situações, apresenta uma extensão de tempo maior, além de ser caracterizada não pelo aumento súbito de demanda, mas pela queda acentuada e contínua de comparecimento, que impacta negativamente no estoque de sangue para quem precisa. Por esse motivo, é essencial que a população agende sua doação em qualquer uma das unidades Hemominas e doe sangue", reforça Sindeaux.

A rede Hemominas em Minas – formada por mais de 20 unidades em todo o estado – é responsável pelo fornecimento de sangue para 92% das transfusões, anualmente. Entre os doadores, há registro daqueles que fizeram mais de 70 doações realizadas ao longo da vida."O o que demonstra a sua credibilidade perante à população mineira nesses 36 anos", reforça Thiago.
Thiago Sindeaux, da Assessoria de Cadastro e Captação de Doadores da Fundação Hemominas, reforça a importância de doar sangue(foto: fundação hemominas/divulgação)
Thiago Sindeaux, da Assessoria de Cadastro e Captação de Doadores da Fundação Hemominas, reforça a importância de doar sangue (foto: fundação hemominas/divulgação)

Em abril, houve queda de 27% nas doações. Essa baixa foi influenciada pela pandemia ou, comparado ao mesmo período de 2019, houve queda semelhante?
A queda acentuada nos estoques está diretamente relacionada aos efeitos da pandemia, as questões relacionadas à COVID, como restrição de circulação de pessoas, alto número de infectados, medo da população em sair de casa, prazos para quem se vacinou, prazos em relação a quem teve sintomas respiratórios, a quem teve contato com pessoas que tenham tido COVID, e a quem teve diagnóstico comprovado da doença, ocasionaram uma diminuição extrema no volume de doadores. A chegada do inverno aumenta o percentual de inaptidões, além de ser uma época sazonal na qual se verifica a diminuição do comparecimento de candidatos

Qual o índice que representa segurança nos estoques de sangue?
A Fundação Hemominas, por meio das suas mais de 20 unidades no estado de Minas Gerais, estabeleceu que a margem de segurança seja capaz de garantir por até três dias o atendimento em casos de grandes catástrofes e acontecimentos que impactem em aumento imediato da demanda habitual por sangue ou impeçam o comparecimento de candidatos à doação. É importante ressaltar que essa demanda é muito variável e dinâmica, o que não permite, portanto, que se possa precisar em litros o volume necessário a ser coletado. Contudo, ao se considerar além da grande demanda por sangue o fato de que é um insumo perecível, é muito importante que a população realize doações frequentemente ao longo do ano, de forma que os estoques possam permanecer em níveis adequados ao longo de todo o ano para o atendimento necessário à demanda dos hospitais conveniados.

Ao longo dos 36 anos do Hemominas, qual foi a situação de maior demanda dos estoques de sangue? O que aconteceu e como a história se resolveu?
Considerando que a Fundação Hemominas responde por mais de 90% das transfusões realizadas em Minas Gerais, destacamos a tragédia na creche em Janaúba e as situações das barragens de Mariana e Brumadinho. Nessas ocasiões, o Hemominas se preparou com o reforço na sensibilização de doadores, na logística de atendimento aos candidatos e ações relacionadas ao estoque. Em todas as situações, o importante a ressaltar foi a solidariedade maciça do povo mineiro que atendeu prontamente ao chamado, compareceu e realizou sua doação para as pessoas que precisaram.

Há seis anos, o movimento “Eu dou sangue” criou a campanha Junho Vermelho. Qual o efeito direto para o Hemominas?
O principal efeito que a Fundação Hemominas busca com a campanha do Junho Vermelho é trazer para a população, de uma maneira geral, uma atenção especial a esse gesto que salva vidas e que só pode ser exercido através da solidariedade das pessoas. Assim, um mês no qual, considerando o período sazonal de queda de comparecimento em virtude do clima frio e de definição de contemplar o Dia Mundial do Doador de Sangue, vai ao encontro de despertar a atenção de todos, unindo-se aos diversos países que aderem a esta campanha para que participem através da doação propriamente dita ou por meio da divulgação e sensibilização da doação voluntária de sangue. O povo brasileiro, de uma forma geral, é muito solidário, e a população mineira tem aderido, desde o início da campanha, em 2015, ao chamado do Hemominas para fazer parte dessa corrente do bem que salva vidas.

Quando falamos em Hemominas, a primeira referência é a doação de sangue. Mas os serviços da fundação vão além como, por exemplo, o banco de medula...
De fato, além de poder realizar a doação de sangue, as pessoas podem se cadastrar como candidatas à doação de medula óssea no Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea). Os critérios para se cadastrar como candidato à doação de medula óssea se diferem dos critérios relativos à doação de sangue. Um outro ponto em comum é o fato de que as pessoas que precisam de transplante de medula óssea também precisam de transfusão de sangue durante o tratamento, motivo pelo qual é importante que o candidato à doação de medula óssea também possa ser um doador frequente de sangue para ajudar no tratamento desses pacientes. Os mineiros têm comparecido às unidades da Hemominas para se cadastrarem no banco do Redome, compreendendo a importância de compor esse banco de esperança para pessoas que, muitas vezes, possuem apenas o transplante com única forma de tratamento

Como está o processo de implantação do Cetebio? Como ele vai funcionar e qual será a importância do centro?
O Cetebio, cujas edificações e infraestrutura foram especialmente projetadas seguindo as diretrizes técnicas e legais do Ministério da Saúde e Anvisa, nasceu com o propósito de dotar a saúde pública de Minas Gerais com procedimentos de alta complexidade, por meio da captação, seleção, coleta, processamento, armazenamento e distribuição de tecidos e materiais biológicos seguros e de alta qualidade técnica, retirados de doadores vivos e não vivos, tendo em vista a realização de transplantes e enxertias. Na atualidade, com o concurso de parcerias em níveis de União, estado e município, dos sete bancos previstos para o Cetebio, dois estão em pleno funcionamento: o de Medula Óssea (BMO) e o de Cordão Umbilical e Placentário (BSCUP), que compõem o hoje denominado Centro de Processamento Celular pela legislação federal. Estes bancos atuam com o material biológico utilizado no tratamento de pacientes portadores de doenças hematológicas, imunodeficiências, alguns tumores sólidos, entre outrao. A implantação dos demais bancos – Pele, membrana amniótica, tecidos musculoesqueléticos, tecidos cardiovasculares e sangues raros – aguarda disponibilização da infraestrutura mínima necessária exigida pela legislação, sem a qual não é possível iniciar as atividades, dos insumos adequados para estes bancos especificamente e, no caso do Banco de Sangues Raros, da aquisição de insumos ainda não disponíveis no Brasil.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade