Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas padecendo

Adolescer: o luto pelo fim da infância e o medo da vida adulta

Nosso papel é estar presente, apoiar, orientar e entender que eles vão ter outras vivências e fazer as coisas de formas diferentes do que nós gostaríamos


21/02/2021 04:00 - atualizado 18/02/2021 11:15

(foto: Depositphotos)
(foto: Depositphotos)


Aprendi a reconhecer meus sentimentos. A entender cada um deles. A controlar a fúria, a raiva. Aprendi a acolher a tristeza, a frustração. Aprendi a deixar transbordar a alegria, a euforia. Amadureci.

Hoje sou brisa, mas já fui vendaval. Hoje sou montanha, mas já fui vulcão. Adolescer é uma tempestade. O luto pelo fim da infância, o medo da vida adulta. Os conflitos internos. As emoções transbordando, às vezes incontroláveis.

Ser adolescente é um desafio para quem é e para os responsáveis por esse ser em transformação. Hoje sou adulta e me preparo para ser mãe de adolescente.

Fabiana Santos, uma amiga, disse outro dia: “O livro que preciso agora é: O que esperar 14 anos depois de ter esperado”. Minhas amigas, assim como eu, estão mudando de fase, deixando de ser mãe de bebê, criança e se tornando mãe de adolescente. Mulher de meia-idade e mãe de adolescente.

Mãe na menopausa, a mulher que se redescobre. Que se despede do seu eu jovem e dos seus bebês. Enquanto eles se despedem do corpo e da identidade infantil. Uma transição desafiadora.

Um renascimento do qual pouco falamos porque temos medo de expor nossos filhos. Medo de expor nossas falhas. Um momento ainda mais solitário na maternidade. O momento da mãe que cala por medo de falar demais.

Medo de pedir conselho, de parecer frágil. Medo de pensar que falhamos. Que não sabemos o que fazer.

Sempre quis ser mãe, mas sempre tive muito medo de ser mãe de adolescente. Medo de não saber agir. Medo de não saber equilibrar o sim e o não. Medo de não estar preparada para estar presente, para viver o agora.

Adolescentes precisam é confiar no amor incondicional dos pais. Saber que vamos estar ali, mesmo ouvindo desaforos. Saber que estamos fazendo o certo, mesmo quando eles acham que está tudo errado. Que não vamos desistir deles. Que vamos insistir para que estudem. Que vamos repetir a mesma coisa mil vezes para ter certeza de que eles ouviram. Que vamos continuar nos preocupando com a alimentação e com as horas de sono.

E cada vez que eles nos desafiarem e disserem coisas horríveis e nos magoarem, nós vamos detestar essas atitudes. E quando estivermos perto de detestar a pessoa, vamos nos lembrar de que são apenas atitudes de adolescente. Que é natu- ral. Que essa fase é assim, desafiadora para nós e para eles. E vamos olhar para os nossos filhos e agir com amor para neutralizar a angústia, a frustração, a insegurança.

Adolescente não é adulto, e não é mais criança, e a gente se lembra tanto do que eles não são, que se esquece do que eles são. O olhar da falta que a psicóloga Anna Cláudia Eutrópio me explicou outro dia em uma live sobre adolescência.

Esse é um desafio, olhar para o que eles são hoje, agora, e não o que eles deixaram de ser, ou o que eles não são ainda. Deixar de ver o que falta e olhar para as potências, as capacidades.

Lidar com “ilho adolescente, hoje, é lembrar que o nosso tempo também é hoje. Que hoje somos pais de adolescentes e o nosso tempo não passou. Nosso tempo é aqui e agora. O que nós vivemos quando éramos mais jovens é nosso.

Aquelas experiências nos trouxeram até aqui, mas não devem ser objeto de comparação com a vivência dos nossos filhos e as pessoas que eles são. Eles não são nossos espelhos e nem devem ser. Eles estão em busca da sua própria identidade e não de comparação com os pais. Nosso papel é estar presente, apoiar, orientar e entender que eles vão ter outras vivências e fazer as coisas de formas diferentes do que nós gostaríamos.

Vou seguir quebrando a cara, errando tentando acertar. Vou seguir entendendo que ser adulta e envelhecer não é a decadência, é a glória. Se o jovem olhar para o adulto e vir que a maturidade é boa, que existe felicidade em amadurecer, talvez o processo de deixar a infância e transitar pela adolescência fique mais fácil.

Difícil é aceitar que eles estão crescendo e que está chegando a hora de deixarmos que voem sozinhos.

Ninguém disse que ser mãe seria fácil, mas com amor e humor, tudo fica melhor. Como já disse minha amiga Fernanda Miranda: “Ser mãe é pensar em fugir e, no plano de fuga, incluir os filhos, que eram o motivo da fuga”.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade