Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

O visionário Enéas já enxergava longe

''Os senhores vão entender por que existe tanta gritaria lá fora a favor da Amazônia. Não é a favor do bem da Amazônia, é a favor dos bens da Amazônia''


postado em 18/08/2019 04:00 / atualizado em 17/08/2019 20:44

Meu nome é Enéas. Quem ressuscitou o bordão foi o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ontem no Twitter: “Nos últimos 22 anos (1995 a 2016), o Brasil foi saqueado e transformado num anão em suas relações internacionais. Enéas Carneiro, sargento do Exército e médico, nos dá a certeza da urgência de nos preocuparmos com a rica e cobiçada Amazônia”. O vídeo: Bolsonaro postou com uma série de imagens da Amazônia de um discurso de Enéas: “Se olhar com atenção, os senhores vão entender por que existe tanta gritaria lá fora a favor da Amazônia. Não é a favor do bem da Amazônia, é a favor dos bens da Amazônia”.

Uma rápida pesquisa detalha: “A discussão, a meu ver, não é mais entre esquerda e direita. É de um lado a globalização; de outro, o Estado nacional soberano”. Enéas era de fato um visionário. Em uma de suas candidaturas à Presidência da República, atacava: os Estados Unidos da América se encontravam sob a égide do sistema financeiro internacional.

E Enéas declarou que “não há nenhuma razão para se agir como se agiu contra o Afeganistão, atingindo civis inocentes, como se está fazendo agora”. Disse, ainda, que o Ministério da Defesa e as autoridades militares deveriam acordar do “sono letárgico” em que estavam fazendo o povo mergulhar, para que soubessem que, em um futuro próximo, poderia ser o Brasil no lugar do Iraque”.

Melhor mudar de assunto e registrar uns poucos trechos da entrevista do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à jornalista Debora Bergamasco, ao SBT/Alterosa, na sexta-feira. “Um embaixador não pode fazer um juízo contrário àquilo que pediram os brasileiros. Certamente, serei um representante do governo, serei um minipresidente lá nos Estados Unidos, assim como são todos os outros embaixadores nas suas posições”.

Uai, do jeito mineiro mesmo, Eduardo Bolsonaro já dá como certa a sua aprovação no Senado para assumir a embaixada brasileira nos Estados Unidos? Otimista, ele dá sinais de que está. “Estou muito esperançoso, as conversas que tenho tido são animadoras e acredito que vai dar tudo certo.” E como visitou uma coleção de senadores em busca de apoio, vale incluir na lista os senadores mineiros Antonio Anastasia (PSDB-MG), Carlos Viana (PSD-MG) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), entre outros.

Afinal, Eduardo Bolsonaro ainda terá de passar pela sabatina no Senado. Mas deve ser aprovado. Os cabeças-brancas da Casa não devem rejeitar a indicação. É essa a praxe.


(foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS )
(foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS )

Expresso 168

Criado em 2013, ficou consolidado como um espaço de excelência para permitir que diversos segmentos da sociedade possam se encontrar e debater os mais variados temas e os gargalos que permeiam a cultura no Brasil. Diante desta premissa, tem tudo para ser uma agenda que vale a pena: Tema: Cultura, civilização e democracia. Local: Teatro Francisco Nunes – Belo Horizonte (MG). Autoria da deputada e ex-senadora Benedita da Silva (PT-RJ). Convidado: Juca Ferreira (foto), secretário Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

Folgar quando?

Não bastasse a burocracia sem igual no mundo, que coloca em uma crise imensa as pequenas e microempresas, que já passam por um momento de grandes dificuldades, a proposta de liberdade econômica pregada pelo setor econômico do governo federal de colocá-la em prática vai piorar ainda mais a situação. Quem registra é o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), lamentando a aprovação da Medida Provisória 881/19 na Câmara dos Deputados, e que teve rejeitado o destaque que visava manter a folga semanal. O PCdoB apresentou destaque para mudar o texto, mas a questão foi derrotada em plenário.

Pôr nos trilhos

Melhor então pegar um trem mineiro, como fizeram o presidente da Assembleia Legislativa (ALMG), Agostinho Patrus (PV), e o deputado João Leite (PSDB), da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras. “A ferrovia é uma questão afetiva”, destacou Patrus, acrescentando que “Minas usa o trem não só para o transporte. Usa para falar também. Vamos cuidar bem deste trem que não pode parar”. Já o tucano João Leite optou por destacar a chance de “criarmos o anel ferroviário de Belo Horizonte que seja capaz de beneficiar 22 cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) com a utilização de trens de passageiros e de cargas”.

Adeus ao ex-ministro

O advogado Roberto Gusmão morreu ontem, aos 96 anos, em São Paulo. Nascido em Belo Horizonte, Gusmão foi eleito presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), em 1947. Um dos principais articuladores da candidatura presidencial  de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em janeiro de 1985, em março seguinte Gusmão deixou a chefia do Gabinete Civil do governo de São Paulo e assumiu o Ministério da Indústria e do Comércio, onde ficou até 14/2/86. Uma de suas primeiras e principais medidas no ministério foi a realização de auditorias para investigar irregularidades no uso e aplicação de recursos no Instituto Brasileiro do Café (IBC), no Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), na Empresa Brasileira de Turismo (Embratur) e no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Como um dos principais defensores, no governo da Nova República, da ampla redução da intervenção do Estado na economia, principalmente com a privatização de empresas estatais, propôs a reformulação ou extinção do IBC, do IAA e da Embratur, após a divulgação das auditorias nesses órgãos.

pingafogo

. Quase R$ 1 bilhão, isso mesmo, nada menos que R$ 926 milhões. É o dinheiro que deveria ser aplicado na educação e foi desviado para o governo federal pagar as emendas dos deputados e senadores. Foi o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que admitiu. Sem comentário.
n Vá correndo. Estrangeiros e brasileiros que desejam obter o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) têm até as 23h59 de domingo, isso mesmo, em 18 de agosto, para se inscrever. As provas ocorrem em outubro.

. E se inscreva, mesmo estando no exterior. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do exame, credenciou 107 postos que aderiram a esta edição, distribuídos em 42 unidades no Brasil e 65 no exterior.

. O líder do Podemos, deputado José Nelto (GO), quer que seja vetada a desobrigação do uso de algemas, caso o detido não ofereça resistência à prisão. “Isso não existe. Nós não podemos deixar o policial militar desamparado e correndo riscos”.

. E insistiu. Isso não se vê em nenhum lugar do mundo. O detido pode até mesmo atentar contra a própria vida estando sem as algemas. E viajou pelo mundo: “Nos países americanos, europeus, o uso das algemas é comum nas ações policiais”.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade