SIGA O EM

Aplicativo convida para uma visita pela Belo Horizonte de 1911

Lançado pelo programa Pró-Memória, da Câmara Municipal, "Passeio Virtual Belo Horizonte 1911" permite ao internauta conhecer grandes cenários da cidade no século XX, como a Praça da Estação, a Praça da República e a Praça da Liberdade. Por enquanto, ferramenta só estará disponível para computadores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2014 08:34

Estado de Minas

Imagine conhecer a Belo Horizonte de 1911, andar de bondinho, de carruagem, visitar edifícios antigos, descobrir as primeiras lojas e indústrias da capital. Verificar o que mudou da pacata cidade para mais de 100 anos depois? A viagem ao tempo agora é possível. O programa Pró-Memória da Câmara Municipal de Belo Horizonte acaba de criar o aplicativo “Passeio Virtual Belo Horizonte 1911”, que reconstrói, em 3D, grandes cenários da cidade, permitindo ao usuário caminhar desde a Praça da Estação, passando pela antiga Praça da República (Praça Afonso Arinos), até à Praça da Liberdade. O lançamento do material será na próxima quinta-feira, às 10h, no Plenário Amynthas de Barros, quando o aplicativo ficará disponível para download.

Segundo o coordenador do programa, Guilherme Avelar, a intenção do novo projeto é criar um ambiente lúdico, unindo arte e tecnologia, a fim de despertar nas pessoas a consciência sobre a importância de conservação e da preservação da arquitetura histórica da cidade. O diretor de arte do projeto, Rafael Guimarães, explica que o grande desafio foi recriar a cidade a partir de informações documentais tão diversas. “Fomos trabalhando por etapas. Inicialmente, tivemos acseso a fotografias de época, por meio de parcerias com o Arquivo Público Mineiro, o Arquivo da Cidade, o Museu Histórico Abílio Barreto e outras instituições”, completou.

O aplicativo recriou a Praça da Estação, que era a porta de entrada da cidade, a Praça da República, na subida da Rua da Bahia, onde se instalaram a Faculdade de Direito e a Câmara de Deputados, e a Praça da Liberdade, ainda com ares de cidade do interior, onde o visitante poderá conhecer algumas lideranças políticas da época.

Por enquanto, a ferramenta só estará disponível para instalação e navegação em computadores domésticos, na plataforma Windows. Guimarães explica que, em razão do tamanho do aplicativo, ainda não é possível disponibilizá-lo para tablets e celulares, mas há perspectiva, no futuro, para uma nova versão.

Para baixar o aplicativo, basta acessar o site da Câmara de BH, a partir de quinta-feira.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.