Publicidade

Estado de Minas

Poços de injeção de águas residuais estão vinculados a sismos nos EUA


postado em 04/07/2014 10:07
http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2014/07/04/interna_tecnologia,545347/pocos-de-injecao-de-aguas-residuais-estao-vinculados-a-sismos-nos-eua.shtml

WASHINGTON - O forte aumento visto na ocorrência de tremores no estado de Oklahoma, no meio-oeste dos Estados Unidos, se deve a um aumento da injeção de águas residuais das operações de petróleo e gás nos últimos anos, informaram cientistas nesta quinta-feira.

Este ano, Oklahoma superou a Califórnia, conhecida há muito tempo como o estado americano líder de atividades sísmicas, com 190 tremores superiores à magnitude 3 contra 71 na Califórnia.

"Estes terremotos são parte de um aumento 40 vezes maior na atividade sísmica em Oklahoma durante 2008 e 2013 em comparação com o período entre 1976 e 2007", destacou o informe publicado na revista Science.

A responsabilidade recaiu sobre uma série de poços de injeção usados para enterrar as enormes quantidades de águas residuais empregadas nas operações de separação de petróleo e gás, assim como na fratura hidráulica ou "fracking", uma técnica empregada na extração do gás de xisto.

A maioria dos 9.000 poços de injeção do estado não são o problema, mas quatro de seus poços de alto volume, sim, bombeando mais de quarto milhões de barris de água subterrânea por mês, acrescentou o informe.

Estes tremores podem viajar até 35 km do local da injeção.

O volume de água residual dobrou no centro de Oklahoma entre 2004 e 2008, acrescentou a pesquisa, conduzida por Katie Keranen, professora de geofísica da Universidade de Cornell.

Para algum motivo regional, os tremores de Oklahoma constituíram quase a metade de todas as atividades sísmicas do leste americano entre 2008 e 2013, destacou o informe.

"Os poços de injeção modernos de alto padrão podem, portanto, impactar a sismicidade regional e aumentar o risco sísmico", destacou o estudo.

Keranen descreveu os terremotos induzidos como "um dos principais desafios para a expansão do desenvolvimento de gás de xisto de hidrocarboneto não convencional".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade