20°/ 35°
Belo Horizonte,
20/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Vilão ou mocinho? » Pesquisa questiona presença do óxido de zinco no protetor solar Especialistas brasileiros não veem relação da substância com destruição de células no organismo

Celina Aquino -

Publicação: 20/05/2012 08:08 Atualização: 20/05/2012 08:10

Ter o sol à disposição o ano inteiro é privilégio para poucos no mundo, mas quem vive em países tropicais sofre com uma preocupante realidade: a incidência de câncer de pele. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), este ano devem ser registrados no Brasil mais de 140 mil novos casos. Diante desse dado alarmante, o protetor solar se faz ainda mais necessário. Um pesquisador adverte, porém, que o produto contém uma substância que pode aumentar o risco de surgirem tumores malignos na pele, apesar de reconhecer que usar o creme é melhor do que não se proteger dos raios solares.

A substância apontada como vilã pela pesquisa da Universidade de Ciência e Tecnologia de Missouri, no Estados Unidos, divulgada na semana passada, é o óxido de zinco, comumente encontrado em protetores solares porque tem o poder de refletir a radiação ultravioleta. Com o estudo, o professor de química Yinfa Ma concluiu que a partícula, quando exposta à luz do sol, sofre reações químicas que podem liberar radicais livres, moléculas instáveis que destroem as células de proteção do organismo. Três horas de imersão em uma solução com óxido de zinco foram suficientes para matar metade das células de pulmão usadas no experimento. Depois de 12 horas, a porcentagem chegou a 90%.

Para a farmacêutica Lúcia Helena de Angelis, professora do Centro Universitário Newton Paiva, em Belo Horizonte, não há motivo para alarde. “Um único estudo não consegue comprovar nada, e o próprio autor deixa claro que será necessário fazer inúmeras pesquisas para se chegar a uma conclusão”, pontua. Outra crítica da especialista é em relação ao tipo de células usadas na pesquisa norte-americana. Ela esclarece que as células de pulmão são totalmente diferentes das células da pele, logo não dá para concluir que óxido de zinco tem o efeito destruidor em qualquer tipo de tecido. A farmacêutica questiona, ainda, se uma substância que não é absorvida pela pele consegue transformar a estrutura das células. “Como óxido de zinco é uma partícula sólida, não existe nenhuma possibilidade de ele penetrar na pele nem provocar câncer. Mesmo se formar radicais livres na superfície, não vai ocasionar nenhum problema”, garante.

O óxido de zinco é uma substância inorgânica e insolúvel, que em protetores solares é encontrada em minúsculas partes para potencializar a ação refletora da radiação ultravioleta e por esse motivo é classificada como nanopartícula. “É como se vários espelhos fossem depositados na pele e refletissem os raios que vão incidir na superfície”, explica Lúcia. A professora informa que o uso da substância é aprovado não apenas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas por órgãos reguladores de vários países, inclusive o norte-americano Food and Drug Administration (FDA).

Mesmo com o resultado da pesquisa de Yinfa Ma, ainda não dá para dizer que o óxido de zinco é maléfico para o corpo humano. Pelo contrário, diz a professora do Centro Universitário Newton Paiva. Lúcia cita um estudo francês, publicado em março, que avaliou a toxidade da nanopartícula a partir de inúmeros experimentos em pessoas e em laboratório realizados desde 1996. “Esse artigo fala exatamente o contrário. Os pesquisadores franceses concluíram que o óxido de zinco não é t[oxico para a pele, mesmo em tamanho muito pequeno, e ainda oferece um benefício muito grande para a saúde, que é a proteção contra a radiação ultravioleta.” Segundo a professora, o óxido de zinco tem outras vantagens: diminui o risco de haver reação alérgica com o uso de filtro solar, possibilita aumentar o fator de proteção e faz com que o produto seja mais eficiente, refletindo uma variedade maior de raios solares.

O coordenador do Departamento de Dermatologia do Hospital Felício Rocho, João Carlos de Cintra Batista, é categórico. “Apesar de existir a possibilidade de o óxido de zinco ter ação cancerígena, o consenso é de que é mais importante se proteger do sol do que se preocupar com um possível malefício, que é produção de radicais livres.” O dermatologista alerta que o uso de filtro solar é fundamental para prevenir o câncer de pele, o mais frequente no Brasil, de acordo com o Inca, e explica que os raios ultravioletas alteram o DNA das células a ponto de elas se multiplicarem de maneira desorganizada e com deformidades. “Alguns cânceres têm agressividade local e menor chance de criar raízes, mas outros podem levar à metástase e matar em semanas”, destaca.

MELANOMA E CARCIONOMA O câncer de pele mais grave é o melanoma. Apesar de ser o de menor incidência, foi responsável por 1.392 mortes em 2009 no Brasil. Já os carcinomas são tipos de câncer de pele que surgem devido à exposição cumulativa ao sol. É comum acometer pessoas com mais de 40 anos, que apresentam manchas ásperas e feridas que não cicatrizam.

Sem paba

Como o protetor solar é alvo constante de estudos, não é a primeira vez que pesquisadores apontam um de seus componentes como inimigo da pele. Apesar de ter sido utilizada por muito tempo, uma substância chamada paba foi colocada à prova por cientistas, que descobriram que ela desencadeava reações alérgicas. Ficou comprovado que o composto tinha um potencial mais elevado de causar irritação e hipersensibilidade nos usuários, o que fez com que seu uso pela indústria fosse proibido. Por isso, em vários recipientes encontrados em farmácias e supermercados é possível ler “Paba free”, em inglês, ou seja, livre de paba.
Tags: celular

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.