14°/ 31°
Belo Horizonte,
27/AGO/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Justiça nega liberdade a padrasto do menino Joaquim Guilherme Longo é acusado de assassinato e a mãe Natália Ponte por omissão

Agência Estado

Publicação: 01/07/2014 14:01 Atualização: 01/07/2014 15:19

Padrasto do garoto é o principal suspeito do crime, investigação já rendeu mais de mil páginas (Arquivo Pessoal)
Padrasto do garoto é o principal suspeito do crime, investigação já rendeu mais de mil páginas

A Justiça negou mais um pedido para libertar Guilherme Longo, padrasto do menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, morto em novembro do ano passado em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. O habeas corpus não foi concedido pela 1ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

A defesa já havia feito várias outras tentativas para soltar Longo, que está na Penitenciária 2 de Tremembé, também no interior de São Paulo. O advogado Antônio Carlos de Oliveira contou que tentará um novo recurso, dessa vez no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. O padrasto está preso há pouco mais de sete meses, desde que o crime foi registrado.

Em casa

A psicóloga Natália Ponte, mãe de Joaquim, também é citada como ré no processo que envolve a morte do menino, pois teria sido omissa. Ela também chegou a ficar presa, mas obteve a liberdade condicional.

De acordo com a denúncia, o garoto morreu após receber uma dose excessiva de insulina aplicada por Longo, que depois teria jogado o corpo em um córrego perto da casa da família. Tanto o padrasto quanto a mãe de Joaquim negam qualquer envolvimento no caso.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.