Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Guri

SIGA O EM

Descobertas

O que você sabe sobre a literatura do Moçambique?

'O rei mocho', de Ungulani Ba Ka Khosa, narra fábula tradicional moçambicana sobre as consequências de uma mentira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1032173, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Kapulana Editora/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/05/03/758809/20160503153333186486a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 03/05/2016 14:52 / atualizado em 03/05/2016 15:39

Redação Guri

Kapulana Editora/Divulgação
Inaugurando a coleção Contos de Moçambique, o livro O Rei Mocho, reconta uma tradicional fábula moçambicana originária dos sena, uma etnia do centro do país. Escrito pelo premiado autor Ungulani Ba Ka Khosa e publicado pela editora Kapulana, o livro é totalmente ilustrado por Americo Amos Mavale com a técnica do batique.

O batique (ou batik) é uma técnica artística de pintura em tecido, originária da Ilha de Java, uma das maiores ilhas da Indonésia, país entre a Ásia e a Oceania. É uma arte com aproximadamente dois mil anos de existência. Cada trabalho do batique é único e feito à mão. No tempo das colonizações, a arte chegou à África, e Moçambique tem o batique como uma das suas mais famosas forma de arte, principalmente o batique craquelê, que possui reconhecimento internacional no mundo das artes.

Ungulani representa, na obra, como a mentira e a desordem surgiram no mundo através de um diálogo entre pai e filho. Inserindo palavras da língua local de Moçambique, o autor transcreve a lenda de como o mocho se tornou rei, e acabou sendo exilado pelos outros pássaros quando o homem contou a verdade sobre seus “chifres”.

“– […] A realidade e a imaginação cruzavam-se, casando e descasando-se. A fronteira entre a imaginação e a realidade era tão frágil, que poucos conheciam a margem que as separava. E isto por que a mentira não havia ainda sido inventada. – E como apareceu, pai? – Na confusão que o homem criou entre o mocho e outros pássaros.”

Dentro de O Rei Mocho, a leitora ou leitor também encontrará uma consideração do autor quando ouviu o conto pela primeira vez, um breve glossário da língua de Moçambique e o conto original, que a etnia sena transmite oralmente entre seus entes.

Para saber mais sobre o título e ler alguns trechos, acesse: www.kapulana.com.br.

Editora Kapulana, 28 páginas, R$ 29,90.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600