SIGA O EM

Autor mirim aproveitou castigo para ordenar as ideias na mente e escrever um livro

Ângelo César Altes, de 12 anos, teve que ficar uma semana sem TV. Do tédio, nasceu a história

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 933617, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Antonio Lemos/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/10/03/693747/20151001102209690206a.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 03/10/2015 06:00 / atualizado em 01/10/2015 13:19

Estado de Minas

Antonio Lemos/Divulgação
Tudo começou com um castigo. Por ter voltado da casa da avó mais tarde do que o permitido, Ângelo César Altes, de 12 anos, teve que ficar uma semana sem TV. Em meio ao tédio de não ter nada para fazer, veio uma grande ideia: escrever um livro.

Foi assim que nasceu A casa misteriosa, uma história de aventura entre amigos. “O personagem principal, que vive nos Estados Unidos, sai da escola e encontra alguns amigos. Eles decidem entrar em uma casa que esconde muitos mistérios. E aí a história começa.” A inspiração para o enredo veio de autores como Rick Riordan, Júlio Verne e Robert Louis Stevenson. “Sempre gostei de escrever e ler livros de aventura. Meu pai trabalha em uma escola e traz alguns livros para mim, principalmente desses autores, de que gosto muito”, conta.

Ângelo confessa que não gostou do castigo, mas o resultado da punição valeu a pena. “No início, fiquei bravo. Nos dois primeiros dias, não tinha nada pra fazer. Aí comecei a escrever.” Depois de um mês, o livro estava pronto. “Ele tem 10 capítulos. A cada dia, escrevia um, mas, quando lia e não achava bom, rasgava a folha e fazia de novo.”

O apoio dos pais foi fundamental. “Mostrei para eles o primeiro capítulo. Eles deram muita atenção e apoio para que eu continuasse escrevendo.” O resultado surpreendeu também a Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Patrimônio Histórico de Pitangui, cidade onde a família vive, no Centro-Oeste mineiro. Com o patrocínio do órgão, foram impressos 500 exemplares.

MAIS UM O lançamento do livro foi há poucos meses, em 2 de julho. Ângelo lembra que ficou nervoso na ocasião. “Tive que falar na frente de todo mundo, estava muito ansioso.” Como ainda não está disponível nas livrarias, algumas cópias do livro A casa misteriosa foram distribuídas pelas bibliotecas da cidade. Em breve, mais pessoas terão acesso à história. “Alguns dos meus colegas ainda não leram, mas a diretora da minha escola está pensando em fazer uma feira para lançarmos o livro lá também.”

Aluno do 6º ano do ensino fundamental, na Escola Estadual Professor José Valadares, Ângelo aguarda a data com ansiedade, enquanto se prepara para lançar o segundo livro, também escrito na mesma circunstância. “Escrevi o novo quando também estava de castigo. Mas, dessa vez, fiquei duas semanas sem televisão.” O motivo dos castigos é o que o garoto mais gosta de fazer, além de escrever: brincar com o seu primo na casa da avó. “Sempre peço a minha mãe para ir brincar com ele, mas não posso me atrasar pra voltar pra casa.”

O próximo lançamento de Ângelo será sobre um mito da cidade de Pitangui. “Falo de um tesouro que foi escondido por um português”, revela. “Deve sair até o fim do ano.” Os planos para o futuro vão além. “Quero ser escritor e juiz, para fazer o bem.”
Tags: mirim autor guri
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600