Publicidade

Estado de Minas

Enade reprova um quinto dos cursos de saúde em Minas em exame aplicado em 2016

Uma em cada cinco graduações também foram reprovadas nas áreas de ciências agrárias e na formação de tecnólogos de vários setores. Dos avaliados, apenas 6% obtiveram nota máxima


postado em 02/09/2017 06:00 / atualizado em 02/09/2017 07:27

(foto: Arte EM/D.A Press)
(foto: Arte EM/D.A Press)

Nota vermelha para uma em cada cinco graduações das áreas de saúde, ciências agrárias e afins e dos eixos tecnológicos de ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, militar e segurança em Minas Gerais. Esse é um dos resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) aplicado em 2016 e cujos dadosssss foram divulgados ontem pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia do Ministério da Educação (MEC).

Quando avaliados apenas os cursos de saúde, um dos setores mais sensíveis e mais próximos ao cotidiano da população em geral, a proporção é semelhante: 21% deles tomaram bomba na prova aplicada para medir o desempenho específico e geral dos alunos ao longo dos estudos. Mas há também ilhas de excelência. Assim como no restante do Brasil, 6% dos cursos avaliados nas instituições de ensino superior mineiras alcançaram a nota máxima (5). Em medicina, apenas um conseguiu o feito: o da Universidade Federal de Viçosa, na Zona da Mata.

Em Minas, 512 cursos foram avaliados e, desses, 102 (20%) tiveram notas abaixo do tolerável, em uma escala de 1 a 5. Dezenove receberam a pontuação mínima e 83 tiraram 2. Em todo o país, foram 4,3 mil cursos avaliados, de 997 instituições. Desses, 27% tiveram desempenho inferior ao desejado. O exame do ano passado foi aplicado aos cursos de agronomia, biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, serviço social e zootecnia, entre os bacharelados. Os tecnológicos incluíram o agronegócio, estética e cosmética, gestão hospitalar e gestão ambiental.

Na área da saúde, 385 cursos foram avaliados em universidades, faculdades e centros universitários de Minas. Desses, 21% tomaram bomba, sendo que 14 receberam nota 1 e 67 tiraram nota 2. Na medicina, dos 27 cursos de instituições mineiras, cinco (18,5%) não alcançaram a média.

As graduações da Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac), de Juiz de Fora (Zona da Mata), e do Centro Universitário de Caratinga (Unec), no Vale do Rio Doce, tiveram nota 1. Os cursos de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (Unipam), no Alto Paranaíba; Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos (Imepac), em Araguari; e Universidade de Uberaba (Uniube), ambas no Triângulo, tiveram nota 2.

Curso de medicina da Federal de Viçosa foi o único da área a obter desempenho máximo no estado(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 8/7/15)
Curso de medicina da Federal de Viçosa foi o único da área a obter desempenho máximo no estado (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 8/7/15)


Ilhas de qualidade no ensino

A avaliação das graduações que formam futuros profissionais Brasil afora mostra que poucas conseguiram fazer o dever de casa satisfatoriamente. De 512 cursos de instituições de ensino superior em Minas Gerais submetidos ao Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2016, apenas 31 (6%) tiveram 5, a nota máxima. As ilhas de excelência mineiras são um reflexo do que ocorre no Brasil, onde também somente 6% das graduações (266 de um total de 4,3 mil) se destacaram. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Dos cursos que tiveram a maior nota em Minas, 25 estão em instituições federais e seis deles em escolas privadas (quatro centros universitários e dois em faculdades). Duas instituições se destacaram por ter o maior número de cursos com nota máxima: a Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, e a Federal de Viçosa (UFV), na Zona da Mata. Cada uma delas teve seis graduações de excelência.

A UFV chama ainda mais atenção, pois teve a única medicina com nota 5, entre as 27 graduações avaliadas. Levou medalha de ouro ainda com agronomia (câmpus Viçosa e Florestal), nutrição, medicina veterinária e enfermagem. Na UFMG, o pódio vai para enfermagem, medicina veterinária, farmácia, nutrição, educação física e biomedicina. Nos cursos da área de saúde, aliás, a proporção de graduações com nota máxima também é pequena: 6,8% (26 de um total de 385).

A partir de novembro, o governo federal deve divulgar outros dois índices que tomam a prova do Enade como base, que são o Conceito Preliminar do Curso (CPC) e Índice Geral de Cursos (IGC). Eles ainda estão em processamento e levam em consideração o desempenho dos estudantes, a infraestrutura, formação dos professores e ainda indicadores da pós-graduação.

Os cursos com desempenho abaixo do tolerável ficam sujeitos a punição, podendo sofrer medidas cautelares do MEC para melhoria da qualidade. As instituições têm prazo para se adequar e, caso as inspeções não constatem avanços, algumas delas feitas in loco, podem até mesmo ter vagas extintas.

RESPOSTAS As instituições que tiveram nota 1 e 2 no Enade se manifestaram sobre o resultado dos cursos de medicina. O pró-reitor da Unec, Roberto Barbieri, disse que é a primeira vez que a instituição tem essa pontuação. “Quem tirou essa nota foram os alunos. É lógico que é desagradável receber uma nota dessas, mas a gente fica à mercê do aluno. Eles usam o Enade como vingança contra a escola”, afirmou, acrescentando que houve boicote por parte dos estudantes. “A nota mais interessante para nós é a que eles soltam no CPC, que pelos nossos cálculos deve atingir 3.”

Em nota, a Uniube informou que não vai se posicionar “de forma conclusiva sobre as notas obtidas pelos cursos da instituição”, pois aguarda o relatório analítico do Inep para saber quais pontos foram satisfatórios e em que aspectos será preciso melhorar, acrescentando e que poderá solicitar esclarecimentos ao instituto.

A reitoria da Unipam, também por meio de nota, informou que “o resultado não reflete a qualidade da instituição” e também atribuiu a pontuação a boicote de estudantes. “Nossos alunos estão sendo aprovados em programas de residência por todo o país”, afirmou. O texto destacou ainda que os outros cursos do centro universitário tiveram nota 4. A reportagem tentou contato com a Imepac e a Unipac por telefone, mas ninguém atendeu às ligações.

 

A prova das faculdades


Cursos avaliados

» Bacharelado
Agronomia, biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, serviço social e zootecnia

» Tecnológicos
Agronegócio, estética e cosmética, gestão hospitalar e gestão ambiental.

Brasil
4,3 mil cursos avaliados
6% deles tiveram nota 5

Minas Gerais
512 cursos avaliados
6% deles tiveram nota 5
25 estão em instituições federais
6 estão em instituições privadas

» Medicina
Apenas um curso teve nota
máxima: UFV

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade