SIGA O EM

Movimento recorre ao MP pedindo retomada das atividades da Samarco

Ministério Público diz defender a legalidade no processo de licenciamento do empreendimento e que a operação seja feita com seriedade, dentro dos padrões internacionais de segurança

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 09/05/2016 20:35 / atualizado em 09/05/2016 22:22

Pedro Ferreira

Integrantes do Movimento Justiça sim, desemprego não recorreram ao Ministério Público na tarde desta segunda-feira pedindo a retomada das atividades da mineradora Samarco em Mariana, Região Central de Minas, como forma de reaquecer a economia local.

Em 5 de novembro, a Barragem do Fundão, no Complexo do Germano, pertencente à Samarco, se rompeu, liberando 50 milhões de metros cúbicos de lama. Ao todo, 19 pessoas morreram - o corpo de uma vítima ainda não foi encontrado -, no que é considerado o maior desastre socioambiental da história do país.

O promotor de Justiça Carlos Eduardo Ferreira Pinto ouviu relatos das dificuldades ocasionadas pela queda da atividade econômica na região, como o desemprego, a inadimplência, além de diversos outros problemas sociais gerados pelo rompimento da Barragem do Fundão. “O grupo busca que a empresa possa voltar a operar, com segurança, diminuindo, assim, os impactos ocasionados à população”, informou o Ministério Público.

O promotor esclareceu como tem sido a atuação do Ministério Público neste caso e ressaltou a importância de se ouvir todos os envolvidos. Ele garantiu que a instituição está atenta às demandas locais. “O Ministério Público defende a legalidade no processo de licenciamento do empreendimento, mas é preciso que a operação seja feita com seriedade e dentro dos padrões internacionais de segurança”, afirmou.

De acordo com Carlos Eduardo, o Ministério Público quer a garantia de que a sociedade não será novamente lesada. “O desastre foi fruto de uma irresponsabilidade muito grande. É fundamental que a Samarco, a Vale e a BHP sejam chamadas a se manifestar e comprovar que há condições para a retomada das atividades em Mariana em níveis de segurança internacionais”, reforçou o promotor.

Os rejeitos da barragem desceram como uma onda pelo vale, atingindo primeiramente a Barragem de Santarém, que continha água, depois os distritos marianenses de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, e, na sequência, o município de Barra Longa, as calhas dos rios Gualaxo do Norte, do Carmo e Doce, seguindo neste último até chegar ao mar, no Espírito Santo. (RB)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600