SIGA O EM

Sinais de lama chegam à Bahia, perto de Abrolhos e Trancoso; Ibama notifica Samarco

Mancha foi detectada por técnicos do Ibama e do ICMBio. Mineradora foi notificada a iniciar a coleta de amostras na região e testes para confirmar a origem do material. Testes devem ficar prontos em 10 dias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 987479, 'arquivo_grande': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/01/07/723031/20160107211048633959u.jpg', 'credito': 'Ibama/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/01/07/723031/20160107211012225134u.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 07/01/2016 20:07 / atualizado em 08/01/2016 07:35

Hédio Júnior - Especial para o Correio /Estado de Minas

Ibama/Divulgação
Ao que tudo indica, a lama que vazou da barragem da Samarco em Mariana chegou às praias do sul da Bahia na região de Porto Seguro e Trancoso e do Parque Nacional de Abrolhos. O anúncio sobre a possível extensão dessa catástrofe ambiental foi feito no início da noite desta quinta-feira (7/1) pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis (Ibama). De acordo com o Ibama, as características do material diluído, parecidas com o que tomou o litoral do Espírito Santo, são indícios de que se trata da lama da mineradora.

A empresa foi notificada a iniciar até amanhã uma análise da água para confirmar se os sedimentos registrados por meio de um sobrevoo na região são mesmo de origem da mineradora – além de se certificar da composição química e tóxica do material. O resultado deve sair em menos de 10 dias, nos casos de análise mais complexa, e imediatamente, na averiguação mais simples do material coletado no mar.

As chuvas e a força dos ventos nos últimos dias teriam mudado o sentido da expansão da lama, que chegou ao mar do Espírito Santo depois de contaminar o Rio Doce desde Minas Gerais. Além de ambiental, a chegada da lama à Bahia pode causar impactos econômicos significativos, por se tratar de uma das principais regiões turísticas do Brasil.

Até agora, são 392 quilômetros quadrados de sedimentos de maior concentração da lama – junto à foz do Rio Doce – e 6.197 quilômetros quadrados de lama diluída, em menor concentração de resíduos.

O possível impacto ambiental da flora e da fauna no Parque Nacional de Abrolhos é acompanhado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A reserva é responsável por concentrar a maior biodiversidade de corais de todo o Oceano Atlântico.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Carlos
Carlos - 08 de Janeiro às 14:46
Nesses 10 dias de análise, a lama chega em Sergipe.
 
OBSERVADOR
OBSERVADOR - 08 de Janeiro às 11:50
Só quero entender, afinal sou leigo, a ministra (m minusculo proposital), não falou que não havia possibilidade dos rejeitos chegarem a Abrolhos ?..petistas de plantão me respondam por favor....
 
Thiago
Thiago - 08 de Janeiro às 02:15
Uai, nao tinha sumido?
 
Gerson
Gerson - 07 de Janeiro às 22:34
Não existem duvidas que a mancha foi produzida pelos resíduos do rejeito de minério proveniente da barragem de Fundão, entretanto o que não é admissível é passar a responsabilidade das análises para a própria mineradora, que é parte envolvida no acidente, possuindo interesses opostos a apresentação dos resultados que poderão ser totalmente adversos, porém jamais serão comunicados, pela simples razão de não fazer provas contra eles mesmos.