SIGA O EM

Sirenes tocam por um minuto em Mariana para lembrar dois meses de tragédia

Moradores se reuniram em frente à Catedral da Sé, no Centro da cidade, para relembrar os momentos vividos com o rompimento da barragem de Fundão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 985660, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A.Press', 'link': '', 'legenda': 'Moradores deixaram mensagens em um painel montado na pra\xe7a', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/01/05/721977/20160105165252878300o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 05/01/2016 16:47

Gustavo Werneck


Os dois meses do rompimento da Barragem do Fundão, da mineradora Samarco, em Mariana, na Região Central, foram lembrados às 16 desta terça-feira com um ato público em frente à Catedral da Sé, no Centro da cidade. O ponto alto foi "um minuto de sirene" para lembrar a maior tragédia socioambiental do país, que, em 5 de novembro, matou moradores no subdistrito de Bento Rodrigues, deixou desaparecidos soterrados pela lama de minério de ferro, devastou a vegetação e levou os rejeitos da estrutura da mineradora até o Oceano Atlântico.

Leandro Couri/EM/D.A.Press


O ato foi coordenado pelo grupo de Bento Fala, formado por professores,arquitetos,advogados e outros profissionais para ajudar as comunidades atingidas. O professor de história Kleverson Lima, do Bento Fala, lembrou que a sirene é um símbolo de cidadania e um grito de alerta, para que a tragédia jamais seja esquecida. Quando a catástrofe completou um mês, foi realizado ato semelhante às 16h, horário do rompimento. "Estaremos todos os meses aqui, sempre no dia 5", afirmou o professor. "Se houvesse uma sirene no local, muitos não teriam morrido", acrescentou.

Além da sirene, foi montado um painel localizado as comunidades de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, também em Mariana. "Ao ouvir a sirene, fiquei emocionada. Deu um arrepio", disse a professora Silvana Dias, que trabalhou numa escola de Bento Rodrigues durante 12 anos. "As pessoas ainda estão se adaptando em Mariana, este recomeço não é fácil. Há muito para ser resolvido. Se tivesse essa sirene no local,tudo seria diferente", lembrou.

A ex-moradora de Bento Rodrigues, Edilaine Marques dos Santos, agente distrital, resumiu a situação: "Essa sirene é tudo o que faltava lá no Bento".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600