SIGA O EM

Relatório indica que 8% das barragens de contenção em Minas não são seguras

Relatório mais recente da Feam indica que 8% das 754 barragens de contenção de rejeitos em Minas Gerais não são seguras e têm alto risco de dano ambiental

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2015 06:00 / atualizado em 10/11/2015 11:29

Márcia Maria Cruz /Estado de Minas , Gustavo Werneck

Paulo Filgueiras/EM/DA Press 11/9/14

O Inventário de Barragem do Estado de Minas Gerais (Ano 2014), elaborado pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), mostrou que 8% das estruturas de contenção de rejeitos no estado – marcado pela atividade minerária – não têm as necessárias condições de segurança declaradas pelos auditores dos empreendimentos. Além disso, outras não dispõem de informações técnicas suficientes para esse tipo de garantia.

Os riscos não controlados provocaram grandes tragédias no estado: em São Sebastião das Águas Claras (Macacos), em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em 2001; em Cataguases, em 2003 e Miraí, em 2007, ambas na Zona da Mata; e Itabirito, na Região Central, em 2014. Os acidentes causaram não só a degradação ambiental nas áreas, como deixaram mortos, feridos, centenas de famílias desabrigadas e muita dor e sofrimento nas comunidades.

O relatório ainda apresenta uma classificação de potencial de danos ambientais. Das 754 barragens em Minas, 231 estão na classe III, o que é considerado de alto potencial de dano ambiental, incluindo a do Fundão em Bento Rodrigues, que arrasou ontem o povoado localizado a 23 quilômetros de Mariana. Outras 296 se enquadram na classe II, que indica potencial médio de dano ambiental e 227 na classe I, considerado de baixo potencial.

Elas são classificadas nessas três categorias considerando altura do maciço, volume do reservatório, ocupação humana a jusante da barragem e instalações na área a jusante da barragem. A legislação ambiental demanda que as próprias empresas gerem relatórios auditados à Feam, para garantir a segurança de suas barragens. As fiscalizações da instituição ambiental visam verificar e implementar as recomendações apontadas nos Relatórios de Auditoria Técnica de Segurança de Barragens, referentes às estruturas nas condições de estabilidade garantida, estabilidade não garantida e sem conclusão de estabilidade por falta de dados e documentos técnicos.

O Programa de Gestão de Barragens de Rejeitos e Resíduos da Feam é desenvolvido desde 2002 com o objetivo, segundo os técnicos, “de reduzir o potencial de danos ambientais em decorrência de acidentes nessas estruturas”. Em 2008, a fundação lançou, em ação pioneira no país, o Banco de Declarações Ambientais (BDA), que permite cadastrar novas barragens, atualizar dados de estruturas já cadastradas e apresentar a declaração de estabilidade, em ambiente web, o que oferece mais agilidade às ações.

Os riscos das barragens de rejeitos das mineradoras já haviam sido apontados na reportagem “64 diques são caixas-pretas’, publicada pelo Estado de Minas durante a cobertura do acidente de 2014.


TRÊS PERGUNTAS PARA: Ricardo Motta Pinto Coelho, biólogo, professor do Laboratório de Gestão Ambiental de Reservatórios da UFMG

É comum o rompimento de barragens?

Não deveriam romper. É um exemplo incorreto, indica que, em muitos empreendimentos, faltam planos ambiental e estrutural. Em Minas, nós já tivemos grandes tragédias, como a ocorrida em São Sebastião das Águas Claras (Macacos), na Região Metropolitana, em Miraí e Cataguases, na Zona da Mata.

Falta fiscalização?
Em alguns casos, é muito comum encontrar mineradoras que estejam com as licenças em dia, há muitas com pendências. A mineração é uma atividade muito importante economicamente, mas precisa de mais fiscalização do ponto de vista ambiental. Elas investem muito em marketing, mas, na verdade, não fazem investimentos em sustentabilidade. Muitas vezes, as mineradoras se comportam como se estivessem acima da lei.

O que fazer para evitar essas tragédias?

É preciso reaver muitas práticas do setor de mineração e fazer o monitoramento rigoroso, pois pode haver alta contaminação por zinco, arsênio e outros metais pesados. O governo não está aplicando a legislação, e as mineradoras, então, aproveitam brechas na lei. Há também muita conivência entre mineradoras e municípios. E pior: as mineradoras não têm transparência, sem publicar na internet informações sobre as barragens.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marco
Marco - 06 de Novembro às 14:27
Pra que serve a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam) ? CABIDE DE EMPREGOS! Para atender interesses políticos. Para enriquecer autoridades corruptas, que a troco de uns trocados liberam empreendimentos bilionários, mas inseguros, onde nem sistemas de segurança e alertas, apitos, etc, existiam. Vidas humanas? Que nada, o importante é a produção e a bolada ganha pelos políticos!
 
geraldo
geraldo - 06 de Novembro às 13:57
Negligencia das empresas. Sabem o que é correto fazer ms não fazem. Promovem continuamente "otimização" de serviços, custos, área industrial, processos produtivos e outras coisas mais. Tudo na busca de aumentar os lucros. No afã de ganhar votos, dinheiro para campanhas os políticos fazem vista grossa às exigências das legislações. E assim a coisa vai indo...
 
Mácrio
Mácrio - 06 de Novembro às 09:23
Muito bem SEMAD, FEAM, IEF e IGAM! Que turminha boa hein? Mais uma tragédia na conta do SISEMA. Cabide de empregos!